Pular para o conteúdo principal

A decadência voluntária da Brasil 2000

Na última quarta-feira li um texto no Radio Base falando sobre a Brasil 2000 FM, ou ex-Brasil 2000 (ainda que não citasse o nome da emissora). Pela primeira vez, foi apontada uma justificativa para o fracasso de todas as propostas de compra ou arrendamento feitas nos últimos dois anos. Segue o texto de Rodney Brocanelli:

Pendência de renovação na concessão atrapalha possível arrendamento ou venda de rádio em SP

Quem acompanha não só o Rádio Base, mas os outros sites sobre rádio disponíveis na web, sabe que existe uma emissora de rádio aqui em São Paulo que tem uma placa invisível na porta de "vende-se".

Essa rádio já foi uma das mais interessantes da cidade. Depois de problemas internos em sua administração, ela entrou em processo de queda livre. Pouco a pouco, programas bacanas foram saindo do ar e apresentadores demitidos. Apesar disso, a programação musical atual tem lá uma certa qualidade.

Desde que começou esse processo de decadência, a freqüência em que essa emissora vem sendo envolvida em negociações para uma possível venda ou arrendamento aumentou consideravelmente. Três grupos fortes (e um de porte médio) de comunicação demonstraram interesse. Depois de muita conversa, nenhuma delas se transformou em assinatura de contrato.

O blog Rádio Base apurou que o principal entrave para o não fechamento de negócio é que, até agora, a renovação da concessão ainda não foi homologada pelo Congresso Nacional. Numa das mais recentes sondagens de arrendamento, a proposta dos mantenedores foi um contrato de um ano, justamente por conta dessa pendência. Isso torna a rádio pouco atraente para os possíveis compradores, que não que preferem não arriscar.

Com isso, quem ganha são os poucos, mas fiéis ouvintes dessa emissora (bastante ativos numa comunidade do Orkut), que ainda tem chance de curtir sua programação musical.

Antes de comentar, quero reproduzir uma entrevista do Roberto Miller Maia de 2005, realizada também pelo Rodney Brocanelli, desta vez para o Observatório da Imprensa. Pra mim é o que há de mais esclarecedor sobre o problema da Brasil 2000 (e de qualquer rádio que esteja algum dia na mesma situação). Reproduzo aqui o texto na íntegra, com alguns grifos.

ENTREVISTA / ROBERTO MILLER MAIA
Rede de redundância

Por Rodney Brocanelli em 31/5/2005

O Grupo Bandeirantes de Comunicação vem investindo pesado no meio rádio. Nos últimos meses, assumiu o controle de várias emissoras só na cidade de São Paulo, a saber: 89FM, Alpha e Nativa. Além disso, comprou a antiga Sucesso FM, que ocupa os 96,9MHz do dial, e a transformou na Band News FM, cabeça de rede de um ambicioso projeto no segmento "all news", com uma programação que traz 24 horas ininterruptas de notícia. A estréia se deu em 20 de maio. Mas a ofensiva da Bandeirantes não ficou apenas nisso. Desde o início do mês, a programação jornalística matutina (06h às 10h) da Rádio Bandeirantes AM, 840Khz, vem sendo transmitida em rede com a Rádio Brasil 2000 FM, nos 107,3MHz. A essas duas freqüências, soma-se mais uma emissora em FM que transmite o mesmo conteúdo: os 90,9Mhz, com um grande alcance na Baixada Santista.

A Brasil 2000 FM é ligada a um grupo de educação, a Universidade Anhembi-Morumbi. Está no ar desde 1985 e no início da década de 90 se estabeleceu como uma rádio de rock n’roll. Chegou a ter uma audiência média de 30 mil ouvintes por minuto. Nos últimos anos, porém, vem brigando para fugir dos últimos lugares no rannking de audiência medido pelo Ibope.

O radialista Roberto Miller Maia foi diretor da Brasil 2000 em seu período áureo. Deixou o cargo em 2000 devido a divergências com seus proprietários. Hoje, afastado do rádio, ele crê que a má fase da emissora que ajudou a comandar se deve a interrupção de um projeto que foi planejado para dar resultados a longo prazo. "Fiz um projeto muito meticuloso e detalhado que deveria estar hoje se consolidando no qual a rádio estaria figurando entre as 10 mais ouvidas de São Paulo", diz.

Outro ponto apontado por Maia para o atual estágio da Brasil 2000 é a incapacidade de começar algo do zero, depois de sua saída. "Quando entrou um nova coordenadoria, deveriam ter mudado todo o rumo da rádio, não tentar disfarçar que a rádio era a mesma, pois nunca seria igual. Até hoje insistiram e tropeçaram no sentido de trazer de volta programas criados por mim", afirma.

Mesmo a tentativa de um diferencial na programação musical é algo que, para Maia, não funciona. "É uma bobagem numa época onde você pode carregar no seu IPod ou no seu micro centenas ou milhares de musicas", diz.

Maia é crítico com relação aos novos investimentos da Bandeirantes no rádio. "Que pode se dizer quando tem três emissoras transmitindo a mesma coisa das 06h às 10h. Chamar isso de que? Rede de redundância, falta de criatividade, retrocesso, ignorância. Eu só acho muito triste", afirma. A seguir, a íntegra de sua entrevista.

***

Desde que você deixou a direção da Brasil 2000, a emissora não conseguiu encontrar um rumo certo. A que isso se deve?

Roberto Miller Maia – Penso que o grande erro foi tentar dar continuidade e adaptar um modelo criado por mim. A Brasil 2000 foi um projeto muito autoral, bolei muitas estratégias e estava prevendo cada detalhe. Não é pretensão nem falsa modéstia, mas conhecia cada fio daquela radio e fiz um projeto muito meticuloso e detalhado que deveria estar "hoje" se consolidando no qual a radio estaria figurando entre as dez mais ouvidas de São Paulo. Raramente pessoas traçam planos longos para veículos de comunicação, mas eu além de ser um jornalista, tenho uma formação de engenheiro, então é como um projeto que começa do alicerce. A Brasil 2000 era e é uma rádio frágil, independente e não ligada a nenhuma grupo de comunicação, ligada apenas a uma entidade de ensino. Por isso tinha de existir de uma forma muito particularizada, era o que eu estava fazendo. Houve precipitação de atitudes e falta de sensibilidade depois que eu sai. Quando entrou um nova coordenadoria, deveriam ter mudado todo o rumo da rádio, não tentar disfarçar que a rádio era a mesma, pois nunca seria igual, meu projeto era muito intrincado. Até hoje insistiram e tropeçaram no sentido de trazer de volta programas criados por mim.

O recente acordo com o Grupo Bandeirantes é um indício de que a Universidade Anhembi-Morumbi poderá se desfazer da emissora no futuro?

R.M.M. – Não acredito, pois se tivesse que se desfazer já teria feito antes. Na minha opinião é a primeira tentativa de enterrar o passado da rádio, o que é muito certo. Porém é uma pena, a Brasil 2000 é como se fosse um país que é auto-suficiente em tudo e insistisse em importar matéria-prima, um grande desperdício.

A Brasil 2000 tentou apostar numa programação segmentada, tendo a frente Kid Vinil, lembrando muito o trabalho que você desenvolveu no começo dos anos 90. Porém, essa experiência não deu certo. O que teria ocorrido? O público que curte rock nos dias de hoje é mais refratário a novidades que no passado?

R.M.M. – Não acho que tem a ver com o público, as pessoas não mudam tanto assim. Aliás o publico nunca teve acesso a tantas novidades como hoje me dia, nem precisa de uma rádio para isso. A novidade pela novidade não é nada, é excesso de informação sem conteúdo. Os comunicadores têm de mandar uma mensagem que atraia o publico. Não é trabalho do publico entender as viagens dos comunicadores. Ser alternativo não é falar um idioleto, nem pregar para os convertidos, é saber ser diferente sem ser hermético, saber inovar nas entrelinhas, ser novo não é ser incompreendido. Repetir a história do passado é farsa, parafraseando Marx. O que faltou foi uma verdadeira ousadia, uma assumida inovação.

O mercado publicitário também não deu o retorno esperado a essa volta da Brasil 2000 ao alternativo. Houve uma falta de competência do departamento publicitário ou o mercado realmente não se sensibiliza com fórmulas diferentes?

R.M.M. – Não posso falar dos profissionais da área comercial da rádio, pois aconteceram muitas mudanças que eu não acompanhei. A verdade é que o mercado quer números, ninguém vai pagar um comercial em uma rádio que esta em último lugar. Depois a formula da Brasil 2000, naquele período, não tinha nada de diferente, muito pelo contrario, era extremamente arcaica e, pior, soava amadora. Se basear em um "diferencial" só musical é uma bobagem numa época na qual você pode carregar no seu IPod ou no seu micro centenas ou milhares de musicas. O publico quer algo mais. Uma rádio é interatividade, polemica, opinião, inovação a cada dia, dinâmica e muito mais, ou seja, tudo que estão esquecendo de fazer, hoje em dia, de uma maneira geral. Para citar um dos poucos bons exemplos que sobraram na rádio, o melhor do programa Garagem é o papo inovador e o jeito irreverente deles, e não as músicas que tocam, muitas delas na verdade são chatérrimas.

Como você analisa essa investida do Grupo Bandeirantes no meio rádio, comprando emissoras como a Sucesso, a 89FM, a Nativa, a Alpha e ocupando esse horário matutino na Brasil 2000? Seria uma revitalização do meio rádio ou mais uma forma de monopólio?

R.M.M. – Analiso que com a queda da indústria fonográfica as rádios brasileiras ficaram pobres de dinheiro, pois pobres de idéias já estão há um bom tempo, salvo as exceções e os modelos consagrados. As igrejas saíram comprando um monte de rádios e os grupos mais poderosos também. Vai sobrar pouco, uma pena, pois todo mundo adora rádio. Uma revista de que eu gosto muito chamada Wired publicou na capa da sua edição de março que estamos chegando a fim do modelo de rádio que conhecemos, e que acontece uma revolução com um novo modo de fazer rádio independente, o que seria fantástico neste momento no país. Um boom da segmentação. Para variar, aqui estamos na contramão do tempo. Que pode se dizer quando tem três emissoras transmitindo a mesma coisa das 6h às 10h. Chamar isso de quê? Rede de redundância, falta de criatividade, retrocesso, ignorância. Eu só acho muito triste. Estou sem trabalhar em rádio há anos e nem tive um único convite nunca mais, não só eu como tantos outros profissionais, muito bons, que eu conheço. Acho melhor dizer que isto é para se pensar na cama!

Pois é. Faz tempo que a Fundação Brasil 2000 (ou a Anhembi Morumbi) quer matar a rádio, por mais que ela seja respeitada e por mais que tenha sua importância e história que poderiam ser usadas como alavancas para uma retomada da programação.

A programação musical da ex-Brasil 2000 ainda é boa. Mas que diferença faz? Tenho amigos que não gostam de ouvir rádio porque não gostam que outros escolham as músicas que eles vão ouvir - preferem escolher o próprio repertório, com CDs e MP3. O que eles perdem? Além da chance de serem surpreendidos com uma música que não esperavam ouvir num determinado momento, perdem interação, informação... perdem a "alma" que o rádio tem!

De manhã posso ouvir as músicas que escolher no MP3 (e que tem muito mais a ver comigo que a programação de qualquer rádio isolada), mas posso ouvir o Zé Simão com Ricardo Boechat e Luiz Megale na BandNews, algum trocadilho idiota do Ricardo Sam no "2 em 1" da Transamérica Pop, o disco antigo do DJ Wagnão às quartas-feiras, no "Energia na Véia" (Energia 97), ou os comentários cheios de propriedade da Rose de Oliveira no Reserva Eldorado (Eldorado FM). Tirando a Eldorado, todas as opções musicais que falei tendem a ser piores que a Brasil 2000 no horário. Mas são mais interessantes! Da Brasil 2000 o que tem de mais interessante são as entrevistas do Marcelo Andreassa no "Seleção Brasileira", último suspiro de vida na programação - que, algumas vezes, traz musicas que eu não gosto. Mas é vida! E é isso que falta na rádio.

Se o Roberto Maia falou em 2005 que a Brasil 2000 não tinha "interatividade, polemica, opinião", hoje é pior: depois da entrevista destruíram o site, tiraram o áudio online e mataram a marca. E pesquisa de audiência não é lembrança de marca? Como lembrar de uma marca que não existe?

"Evolução" da marca Brasil 2000 nos últimos anos

Mas, apesar de tudo, não acho que a rádio esteja "morta", ou mesmo com uma "doença sem cura". A Brasil 2000 ainda é reconhecida e sua programação musical já atingiu um meio termo ideal (nem comercial demais, nem alternativa demais). O que falta é algo que a diferencie do vitrolão! E que essa diferenciação seja parte de um projeto de longo prazo, capaz de retomar a credibilidade da rádio, a exemplo da Eldorado FM - por mais que esteja ligada a um grande grupo de comunicação, a solidez da Eldorado faz com que ela seja lucrativa sem que perca sua identidade correndo atrás de posições na pesquisa do IBOPE.

Mas pra tudo isso precisa ter vontade!

Fica a pergunta que fiz nos comentários do Radio Base (e não é retórica): Por que a Fundação desistiu da rádio?

Como um dos "poucos, mas fiéis ouvintes", gostaria muito de saber. Será que tem outra explicação além de burrice ou falta de visão?

Comentários

  1. Boa essa sua análise.

    Caso te interesse, agregue esse link também:

    http://radiobaseurgente.blogspot.com/2008/07/rdios-educativas-esto-com-outorgas.html

    Abraços

    ResponderExcluir
  2. Valeu, Rodney!

    O link que você indicou já ta agregado no post de hoje sobre o assunto!

    Abçs!

    ResponderExcluir
  3. Olá Anderson. Sei que essa matéria foi redigida à uns 5 anos atrás.
    Acredito que você deve saber que hoje a Brasil 2000 continua apenas na WEB com aquele mix de tocar bandas conhecidas e outras nem tanto!
    Tenho até o App para Android da rádio e de vez em quando a escuto!

    Mas você saberia me dizer se está dando algum êxito esse projeto de prosseguir apenas com o webradio?

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Relembrando a Líder FM de São Paulo

Em janeiro deste ano, publiquei aqui e no Tele História um post sobre o curto período em que a Líder FM, emissora popular da Grande São Paulo de grande audiência nos anos 90, adotou o slogam "Cheia de Charme" e passou a se dedicar à Black Music. No final do post, pedia para quem tivesse mais informações sobre esse período enviasse comentários, para que todo mundo que lê o blog e a coluna do Tele História - inclusive eu - pudesse resgatar um pouco da história dessa simpática emissora que acabou caindo um pouco no esquecimento.

De lá pra cá, recebi comentários de pessoas relembrando a Líder FM dessa e de outras fases. Alguns são tão bons que me deixaram, já na época, com vontade de escrever um novo post só para que eles ficassem mais "visíveis".

Nesta terça-feira, o Edmauro Novais, que teve participação essencial no primeiro post, enviou imagem da capa de outro CD da rádio na fase Black, retirada de um blog que disponibiliza a playlist e o link para download do CD. Foi…

Um pouco da história da Rádio Tupi AM (SP)

Muita gente reclama da "falta de memória" da TV, não só pelo descaso das emissoras que apagavam seus arquivos sem a menor culpa, mas também pela dificuldade em encontrar informações consistentes e confiáveis sobre a história da televisão. Quem reclama tem razão, mas essa falta de memória nem se compara com a escassez de registros sobre a história do rádio!

Tive que procurar, para um trabalho, a história da Tupi AM de São Paulo, e descobri que não existe nenhum lugar que traga essas informações. Para se ter uma ideia, não consegui encontrar nem o ano em que a Tupi AM de Paulo Abreu foi inaugurada!

Encontrei alguns dados em diversos endereços na Internet - faço questão de deixar os links ao longo do texto - que, aliados ao pouco que lembrava, me ajudaram na montagem do quebra-cabeças da trajetória (ou das trajetórias) da Tupi.

O resultado não ficou tão completo quanto esperava, mas deixo aqui o que encontrei, primeiro por não ter visto essa história resumida em nenhum lugar, e de…

Especial: As vinhetas de abertura e encerramento da programação na TV

Antes da TV paga ou da multiplicação de televendas e telepastores, era padrão as emissoras de TV não permanecerem no ar 24 horas por dia. No máximo, a Globo "virava" as noites de sexta e sábado com o lendário "Corujão"; as demais - incluindo a Globo em outros dias - só funcionavam de madrugada em ocasiões esporádicas e especiais.

Por isso, quase todas se preocupavam em criar vinhetas específicas para a chegada e despedida diárias. E, diferente do que se esperaria de vinhetas exibidas duas vezes por dia nos horários mais periféricos da grade, muitas delas foram marcantes na história das emissoras e são lembradas até hoje.

Preparei uma lista com algumas das mais famosas. Os vídeos são antigos e estão no YouTube há muito tempo, mas são alguns dos meus favoritos - e imagino que não sejam só meus.


GLOBO

Nos primeiros anos de Hans Donner, uma sequência de formas tridimensionais ilustrava a mensagem de encerramento:


Na década de 1980, a mensagem foi substituída pela apresentaç…