Pular para o conteúdo principal

CNT estréia novos programas na próxima semana (2)

Ainda sobre a CNT, o outro programa que estréia na semana que vem é o Transalouca na TV, anunciado aqui em maio.

Inicialmente previsto para 01 de julho, a atração da Rede Transamérica Pop foi confirmada para amanhã (08/07). No site da rádio tem uma entrevista com o Ruy Balla (foto), gerente da Rede Transamérica de Comunicação e um dos apresentadores do Transalouca.

Segue abaixo reprodução da entrevista.

Transanet: Como vocês chegaram à CNT e como foram as negociações?
Ruy Balla: Estávamos há tempos com o projeto na mão e chegamos a levar para algumas emissoras, até que o Sandro, um amigo nosso, sugeriu que apresentássemos à CNT. Ele conhecia bem os donos da emissora e as negociações foram bem intensas. Nada é fácil assim como pode parecer. A batalha foi grande até chegar aqui.

Transanet: O que os telespectadores podem esperar do Transalouca na TV? Qual será a linha do programa?
Ruy Balla: Vamos ter a base do programa do rádio, mas faremos um talk show com convidados variados, com externas, coberturas, matérias sociais, tudo com muito humor, logicamente. Em resumo é um programa de variedades, numa pegada bem gringa.

Transanet: Por que o Transalouca demorou para chegar à TV?
Ruy Balla: Na real, por muitas pessoas não acreditarem em nossa capacidade. As TVs hoje no Brasil são muito engessadas, travadas mesmo quando se fala em novidades. Os padrões são os mesmos há décadas e eventualmente surgem novidades que dão certo. Acho que a força da televisão poderia ser melhor utilizada se os proprietários acreditassem mais em inovar. O rádio é um meio que tem muitas coisas interessantes para a TV, basta acreditar e dar oportunidades. Foi o que o pessoal da CNT fez. O Oscar Martinez e o Osmar, diretor artístico, colocam muita fé em nosso programa. E isso é fantástico.

Transanet: A versão do rádio é a mesma da TV? Qual será a função de cada integrante?
Ruy Balla: Não necessariamente, teremos muitas coisas em comum, os personagens, alguns quadros, mas teremos muitas coisas novas. Bolamos coisas específicas para a TV que, com certeza, os telespectadores vão gostar. Eu e o Fuzil vamos ser mais entrevistadores, faremos alguns quadros de humor. O Rudy, a Fernanda e a Vanessa farão as externas, os quadros fora e etc.

Transanet: Sabemos que vocês já gravaram algumas matérias. Para você, qual a diferença entre rádio e TV?
Ruy Balla: Grande, no rádio tudo é mais ágil, mas rápido e fácil. A TV exige mais, tem mais detalhes, precisamos de mais tempo, de mais produção. Mas a bagagem de rádio ajuda muito na hora de realizar as coisas para a TV. E além disso, a TV tem um glamour muito maior, uma visibilidade gigante. Apesar da força do rádio, da tradição, da credibilidade, a TV mostra mais seu trabalho, ou pelo menos de maneira mais completa. Acredito que ambos se completam.

Transanet: Vocês estão preparados para críticas e/ou comparações?
Ruy Balla: Claro, já estamos sofrendo críticas antes mesmo de estrear. Acho até normal e saudável. As pessoas precisam comparar, precisam ter parâmetros para o novo. Nós assistimos vários programas da TV internacional para chegar ao nosso, vários talk shows, programas de humor, de entrevistas, musicais, séries, e por aí vai. Foram muitos finais de semana [noites, madrugadas] pesquisando e analisando. Não foi fácil. O Pânico na TV abriu caminho para outros programas, como o CQC. Ambos têm humor, quadros parecidos, radialistas, atores, são comparados mesmo. Nós também seremos comparados a eles, mas como aconteceu com o CQC que provou ser diferente do Pânico, vamos mostrar nossas qualidades e que somos diferentes, apesar de termos semelhanças básicas que não conseguiremos deletar. Cada um tem seu espaço e isso é muito bom, pois abre caminho para novos talentos, para a modernidade.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Relembrando a Líder FM de São Paulo

Em janeiro deste ano, publiquei aqui e no Tele História um post sobre o curto período em que a Líder FM, emissora popular da Grande São Paulo de grande audiência nos anos 90, adotou o slogam "Cheia de Charme" e passou a se dedicar à Black Music. No final do post, pedia para quem tivesse mais informações sobre esse período enviasse comentários, para que todo mundo que lê o blog e a coluna do Tele História - inclusive eu - pudesse resgatar um pouco da história dessa simpática emissora que acabou caindo um pouco no esquecimento.

De lá pra cá, recebi comentários de pessoas relembrando a Líder FM dessa e de outras fases. Alguns são tão bons que me deixaram, já na época, com vontade de escrever um novo post só para que eles ficassem mais "visíveis".

Nesta terça-feira, o Edmauro Novais, que teve participação essencial no primeiro post, enviou imagem da capa de outro CD da rádio na fase Black, retirada de um blog que disponibiliza a playlist e o link para download do CD. Foi…

Um pouco da história da Rádio Tupi AM (SP)

Muita gente reclama da "falta de memória" da TV, não só pelo descaso das emissoras que apagavam seus arquivos sem a menor culpa, mas também pela dificuldade em encontrar informações consistentes e confiáveis sobre a história da televisão. Quem reclama tem razão, mas essa falta de memória nem se compara com a escassez de registros sobre a história do rádio!

Tive que procurar, para um trabalho, a história da Tupi AM de São Paulo, e descobri que não existe nenhum lugar que traga essas informações. Para se ter uma ideia, não consegui encontrar nem o ano em que a Tupi AM de Paulo Abreu foi inaugurada!

Encontrei alguns dados em diversos endereços na Internet - faço questão de deixar os links ao longo do texto - que, aliados ao pouco que lembrava, me ajudaram na montagem do quebra-cabeças da trajetória (ou das trajetórias) da Tupi.

O resultado não ficou tão completo quanto esperava, mas deixo aqui o que encontrei, primeiro por não ter visto essa história resumida em nenhum lugar, e de…

Especial: As vinhetas de abertura e encerramento da programação na TV

Antes da TV paga ou da multiplicação de televendas e telepastores, era padrão as emissoras de TV não permanecerem no ar 24 horas por dia. No máximo, a Globo "virava" as noites de sexta e sábado com o lendário "Corujão"; as demais - incluindo a Globo em outros dias - só funcionavam de madrugada em ocasiões esporádicas e especiais.

Por isso, quase todas se preocupavam em criar vinhetas específicas para a chegada e despedida diárias. E, diferente do que se esperaria de vinhetas exibidas duas vezes por dia nos horários mais periféricos da grade, muitas delas foram marcantes na história das emissoras e são lembradas até hoje.

Preparei uma lista com algumas das mais famosas. Os vídeos são antigos e estão no YouTube há muito tempo, mas são alguns dos meus favoritos - e imagino que não sejam só meus.


GLOBO

Nos primeiros anos de Hans Donner, uma sequência de formas tridimensionais ilustrava a mensagem de encerramento:


Na década de 1980, a mensagem foi substituída pela apresentaç…