Pular para o conteúdo principal

Brasil 2000, de novo

Complementando a informação anterior, conforme sugestão do Rodney Brocanelli, segue link para texto do Radio Base sobre a pendência de renovação na concessão da Brasil 2000 que impede seu arrendamento ou venda: http://radiobaseurgente.blogspot.com/2008/07/rdios-educativas-esto-com-outorgas.html

Todas as FMs educativas de São Paulo estão com outorgas vencidas. A da Brasil 2000 venceu em 30/09/1998.

EDUCATIVA ARRENDADA?
O texto do Observatório do Direito à Comunicação citado no Radio Base também diz o seguinte sobre a Brasil 2000:

Além de possuir uma programação semelhante às tradicionais rádios FMs comerciais da cidade, a emissora tem por prática veicular anúncios publicitários. Segundo o departamento comercial da emissora, somente são vetados anúncios de cigarros e bebidas alcoólicas. Embora a legislação que trata das educativas seja focada nas emissoras de TV, o Ministério das Comunicações determina que tais rádios não têm caráter comercial, sendo vedada a veiculação remunerada de anúncios e outras práticas que configurem comercialização de intervalos, podendo somente veicular anúncios que se enquadrem no conceito de apoio cultural.

É sempre bom lembrar que a concessão do canal 297 (107.3 MHz) em São Paulo é educativa, ainda mais quando se fala em venda ou locação de horários. Mas também é importante lembrar que o costume de venda de espaços para propaganda convencional em emissoras educativas não é exclusividade da Brasil 2000. O texto da MP que criou a EBC (e que regulariza todas as TVs públicas), "proíbe 'anúncios de produtos e serviços', mas autoriza a 'publicidade institucional de entidades de direito público e privado, a título de apoio cultural, admitindo-se o patrocínio de programas, eventos e projetos'". Mas todo mundo sabe que não é de hoje que as Casas Bahia "apóiam a digitalização do acervo da TV Cultura" enquanto anunciam preço de máquina de lavar ou dos "últimos dias da queima de estoque" (que nada tem a ver com propaganda institucional)! E o melhor é a justificativa: numa reportagem de 2005 da CartaCapital (disponível no site da empresa Sulrádio), o então presidente da Fundação Padre Anchieta, Marcos Mendonça, aparece dizendo que o telespectador da Cultura gosta da propaganda: "A propaganda hoje faz parte daquilo que ele quer ver. De repente, ele quer saber que as Casas Bahia estão vendendo armário. As pessoas acham que a propaganda é importante pra elas”. Ou seja, é quase um serviço de utilidade pública!

Então fica nisso: não é correto tratar a Brasil 2000 como uma rádio comercial (muito menos ela se tratar como tal), mas quem for aplicar a lei tem que aplicar pra todo mundo, incluindo os grupos que têm várias emissoras no mesmo lugar (o que prejudica muito a concorrência), as "rádios que andam" ou a principal TV pública do Brasil. É melhor deixar quieto, né?

"PRECISA TER VONTADE"... DE INVESTIR!
Também quero completar algo que disse no post anterior. Falei que para a rádio continuar deveria ter um projeto de longo prazo, mas que era preciso ter vontade. Mas também é preciso vontade de investir, ainda que investir signifique "perder" dinheiro num primeiro momento.

Quando a última crise começou a se agravar, a Brasil 2000 esvaziou gradativamente a programação por não ter o retorno esperado, mas na medida em que a programação se esvaziava diminuíam as perspectivas desse retorno, num "efeito Tostines" - é vazia porque não da retorno ou não da retorno porque é vazia? - que só pode terminar com investimento. E sem imediatismo!

Uma emissora fortemente ligada a uma instituição de ensino que oferece curso superior de rádio e TV mostra que "em casa de ferreiro, o espeto é de pau". Será que a Anhembi não teria um reforço de marca se controlasse "uma das mais interessantes" rádios da cidade?

Eles preferem ser o único anunciante.

SAIBA MAIS
http://midiaclipping.blogspot.com/2008/07/decadncia-voluntria-da-brasil-2000.html

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Relembrando a Líder FM de São Paulo

Em janeiro deste ano, publiquei aqui e no Tele História um post sobre o curto período em que a Líder FM, emissora popular da Grande São Paulo de grande audiência nos anos 90, adotou o slogam "Cheia de Charme" e passou a se dedicar à Black Music. No final do post, pedia para quem tivesse mais informações sobre esse período enviasse comentários, para que todo mundo que lê o blog e a coluna do Tele História - inclusive eu - pudesse resgatar um pouco da história dessa simpática emissora que acabou caindo um pouco no esquecimento.

De lá pra cá, recebi comentários de pessoas relembrando a Líder FM dessa e de outras fases. Alguns são tão bons que me deixaram, já na época, com vontade de escrever um novo post só para que eles ficassem mais "visíveis".

Nesta terça-feira, o Edmauro Novais, que teve participação essencial no primeiro post, enviou imagem da capa de outro CD da rádio na fase Black, retirada de um blog que disponibiliza a playlist e o link para download do CD. Foi…

Um pouco da história da Rádio Tupi AM (SP)

Muita gente reclama da "falta de memória" da TV, não só pelo descaso das emissoras que apagavam seus arquivos sem a menor culpa, mas também pela dificuldade em encontrar informações consistentes e confiáveis sobre a história da televisão. Quem reclama tem razão, mas essa falta de memória nem se compara com a escassez de registros sobre a história do rádio!

Tive que procurar, para um trabalho, a história da Tupi AM de São Paulo, e descobri que não existe nenhum lugar que traga essas informações. Para se ter uma ideia, não consegui encontrar nem o ano em que a Tupi AM de Paulo Abreu foi inaugurada!

Encontrei alguns dados em diversos endereços na Internet - faço questão de deixar os links ao longo do texto - que, aliados ao pouco que lembrava, me ajudaram na montagem do quebra-cabeças da trajetória (ou das trajetórias) da Tupi.

O resultado não ficou tão completo quanto esperava, mas deixo aqui o que encontrei, primeiro por não ter visto essa história resumida em nenhum lugar, e de…

Especial: As vinhetas de abertura e encerramento da programação na TV

Antes da TV paga ou da multiplicação de televendas e telepastores, era padrão as emissoras de TV não permanecerem no ar 24 horas por dia. No máximo, a Globo "virava" as noites de sexta e sábado com o lendário "Corujão"; as demais - incluindo a Globo em outros dias - só funcionavam de madrugada em ocasiões esporádicas e especiais.

Por isso, quase todas se preocupavam em criar vinhetas específicas para a chegada e despedida diárias. E, diferente do que se esperaria de vinhetas exibidas duas vezes por dia nos horários mais periféricos da grade, muitas delas foram marcantes na história das emissoras e são lembradas até hoje.

Preparei uma lista com algumas das mais famosas. Os vídeos são antigos e estão no YouTube há muito tempo, mas são alguns dos meus favoritos - e imagino que não sejam só meus.


GLOBO

Nos primeiros anos de Hans Donner, uma sequência de formas tridimensionais ilustrava a mensagem de encerramento:


Na década de 1980, a mensagem foi substituída pela apresentaç…