Pular para o conteúdo principal

Edifício sede da Bloch será leiloado de novo

É o que diz reportagem desta segunda no Comunique-se. Segundo o site, o leilão está marcado para o dia 17 de setembro, às 14h, com lance mínimo de R$ 39,9 milhões. O dinheiro será destinado à amortização da dívida trabalhista do grupo, estimada em R$ 60 milhões.

Vai ser o segundo leilão da antiga sede da Bloch. O primeiro aconteceu em 2007, com lance mínimo de R$ 37,1 milhões, valor inferior ao mínimo definido para este segundo leilão. Na época, a Universidade Salgado de Oliveira, que locava o prédio e, portanto, tinha preferência na compra, ofereceu R$ 28.391.000,50, arrematando o famoso e histórico prédio. Mas a venda foi revertida porque mais de 100 ex-funcionários não aceitaram o valor, abaixo do mínimo.

A reportagem do Comunique-se de 13/07/2007, que fala sobre o cancelamento do primeiro leilão, tem dois comentários da assessora de imprensa da TV Record, Tania Athayde, que resumem muito bem o porte do prédio. Tomo a liberdade de reproduzir, ilustrando com fotos publicadas em matéria da Veja Rio de 27 de junho de 2007, que trouxe o assunto na capa:

O prédio é uma obra de arte em si. Projeto de Niemeyer, todo revestido em mármore (internamente e fachada), vidros belgas e pisos em madeira de lei, com centenas de armários. O restaurante da presidência, no 11º andar, tem um jardim no centro com árvores e o lavabo é revestido em alabastro. Os três prédios são dotados de terraços com vista para a Baía de Guanabara, dotados de heliponto. Três cozinhas industriais. Uma galeria de arte, um teatro fantástico, com um monte de camarins. Quatro estúdios de tevê. Um gigantesco estúdio fotográfico com laboratório. Garagens, salões, cantinas. E dois halls de entrada enormes, num deles, foi velado o corpo do velho Adopho. A localização é um espetáculo não só para o jornalismo: na Glória, em frente ao aterro do Flamengo, vizinho do Palácio do Catete e da Igreja da Glória. Fica na Zona Sul, mas é pertinho do Centro, a 10 minutos do Aeroporto Santos Dumont e servido por duas estações de metrô. E ainda tem o valor histórico inestimável.

Não dá pra entregar isso tudo por qualquer dinheiro, né?

É... Nem por qualquer dinheiro e nem pra qualquer um. Mas a idéia é justamente o oposto, é vender pra qualquer um que pague, e independente do que quiser fazer com o espaço.

A decadência é sempre triste. No livro "Rede Manchete: Aconteceu Virou História" muitos funcionários falam sobre a experiência da televisão, que algumas vezes se estendia a outras empresas do grupo - muitos profissionais trabalharam em mais de um dos veículos dos Bloch. Recentemente, o autor do livro, Elmo Francfort, me disse que ainda recebe mensagens de funcionários que se emocionam com o resgate da história da TV Manchete. São histórias, lembranças e perdas bem maiores que o dinheiro a receber, ainda que este também seja importante.

No caso de um império de comunicação como a Bloch, que registrou (muitas vezes em posição privilegiada) praticamente toda a história do Brasil na segunda metade do século XX, e pelo fato da falência ter ocorrido já no ano 2000, poderia existir uma consciência maior de preservação do patrimônio cultural e histórico que aquilo tudo representa, incluindo as fotos do acervo da editora, as fitas da TV... e também o prédio. Mas essa consciência teria que aparecer de forma "bilateral": tanto dos vendedores do patrimônio quanto dos compradores. E isso já seria pedir demais!

SAIBA MAIS
http://veja.abril.com.br/vejarj/270607/capa.html

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Relembrando a Líder FM de São Paulo

Em janeiro deste ano, publiquei aqui e no Tele História um post sobre o curto período em que a Líder FM, emissora popular da Grande São Paulo de grande audiência nos anos 90, adotou o slogam "Cheia de Charme" e passou a se dedicar à Black Music. No final do post, pedia para quem tivesse mais informações sobre esse período enviasse comentários, para que todo mundo que lê o blog e a coluna do Tele História - inclusive eu - pudesse resgatar um pouco da história dessa simpática emissora que acabou caindo um pouco no esquecimento.

De lá pra cá, recebi comentários de pessoas relembrando a Líder FM dessa e de outras fases. Alguns são tão bons que me deixaram, já na época, com vontade de escrever um novo post só para que eles ficassem mais "visíveis".

Nesta terça-feira, o Edmauro Novais, que teve participação essencial no primeiro post, enviou imagem da capa de outro CD da rádio na fase Black, retirada de um blog que disponibiliza a playlist e o link para download do CD. Foi…

Um pouco da história da Rádio Tupi AM (SP)

Muita gente reclama da "falta de memória" da TV, não só pelo descaso das emissoras que apagavam seus arquivos sem a menor culpa, mas também pela dificuldade em encontrar informações consistentes e confiáveis sobre a história da televisão. Quem reclama tem razão, mas essa falta de memória nem se compara com a escassez de registros sobre a história do rádio!

Tive que procurar, para um trabalho, a história da Tupi AM de São Paulo, e descobri que não existe nenhum lugar que traga essas informações. Para se ter uma ideia, não consegui encontrar nem o ano em que a Tupi AM de Paulo Abreu foi inaugurada!

Encontrei alguns dados em diversos endereços na Internet - faço questão de deixar os links ao longo do texto - que, aliados ao pouco que lembrava, me ajudaram na montagem do quebra-cabeças da trajetória (ou das trajetórias) da Tupi.

O resultado não ficou tão completo quanto esperava, mas deixo aqui o que encontrei, primeiro por não ter visto essa história resumida em nenhum lugar, e de…

Especial: As vinhetas de abertura e encerramento da programação na TV

Antes da TV paga ou da multiplicação de televendas e telepastores, era padrão as emissoras de TV não permanecerem no ar 24 horas por dia. No máximo, a Globo "virava" as noites de sexta e sábado com o lendário "Corujão"; as demais - incluindo a Globo em outros dias - só funcionavam de madrugada em ocasiões esporádicas e especiais.

Por isso, quase todas se preocupavam em criar vinhetas específicas para a chegada e despedida diárias. E, diferente do que se esperaria de vinhetas exibidas duas vezes por dia nos horários mais periféricos da grade, muitas delas foram marcantes na história das emissoras e são lembradas até hoje.

Preparei uma lista com algumas das mais famosas. Os vídeos são antigos e estão no YouTube há muito tempo, mas são alguns dos meus favoritos - e imagino que não sejam só meus.


GLOBO

Nos primeiros anos de Hans Donner, uma sequência de formas tridimensionais ilustrava a mensagem de encerramento:


Na década de 1980, a mensagem foi substituída pela apresentaç…