Pular para o conteúdo principal

Bia Abramo: "Roda da fortuna do 'Big Brother'"

Texto da Bia Abramo, publicado na edição de hoje da Folha:

"São tudo falseta" (sic), disse a loira, sobre seus colegas de confinamento. Como se fosse alguma surpresa, Ana Carolina, a última eliminada antes da final da última terça-feira, expressou aquilo que todos devem pensar de todos no "Big Brother". Apesar do, digamos, ultracoloquialismo da formulação, não deixa de ter sua expressividade.

É claro que, no mundo dos reality shows, as categorias de verdade ou falsidade estão de pernas para o ar.

Nada mais falso do que a verdade que se inventa jogando 14 pessoas diferentes para competirem durante três meses com o propósito de eliminar os concorrentes, de modo que um deles, ao final, seja premiado com um dinheiro que nenhum deles fez por merecer. Ao mesmo tempo, nada mais verdadeiro do que esse desejo avassalador de estar exposto de corpo e alma e ainda ser "pago" para isso.

Ganham, no final, aqueles que conseguem seguir de pé nesse terreno instável de verdades e mentiras e, ao mesmo tempo, exibir algum fator de atração suficiente para que os telespectadores, de forma meio espontânea, meio induzida pelo conjunto do espetáculo, ajudem a mantê-los no programa.

Nessa nona edição, ruim de audiência, mas campeã de faturamento publicitário, ganhou Max -homem, classe média mais ou menos ajeitada, com pretensão de artista. A não ser pela profissão, tem sido esse o perfil básico dos ganhadores -foram sete homens contra duas mulheres a ganhar; alguns declaravam histórias pregressas de dificuldades, mas todos, quando entravam no jogo, estavam nessa faixa social.

É como se, pelos mecanismos que parecem aleatórios das sortes e azares que acontecem nos três meses que passam trancados, no fundo coubesse ao espectador escolher aqueles que estão pré-selecionados pela roda da fortuna. Às mulheres resta o papel de coadjuvantes, namoradas, animadoras de torcida e, em apenas dois casos até agora, uma sobrevida de celebridade de fato depois de findo o programa.

Uma falseta, em suma, como acertou Ana Carolina, mesmo errando na concordância. No capítulo que encerrou o programa, Pedro Bial afirmava que os verdadeiros manipuladores são "vocês", referindo-se aos participantes. Nada mais verdadeiramente falso -ou seria falsamente verdadeiro? Como já se sabia e ficou ainda mais patente nessa edição, o que importa mesmo são as cotas publicitárias -essas sim, verdades polpudas e incontestes, mais ainda que a quantidade de pessoas que assistem ou não, que aderem ou não ao programa. O resto é sermão.

biabramo.tv@uol.com.br

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Relembrando a Líder FM de São Paulo

Em janeiro deste ano, publiquei aqui e no Tele História um post sobre o curto período em que a Líder FM, emissora popular da Grande São Paulo de grande audiência nos anos 90, adotou o slogam "Cheia de Charme" e passou a se dedicar à Black Music. No final do post, pedia para quem tivesse mais informações sobre esse período enviasse comentários, para que todo mundo que lê o blog e a coluna do Tele História - inclusive eu - pudesse resgatar um pouco da história dessa simpática emissora que acabou caindo um pouco no esquecimento.

De lá pra cá, recebi comentários de pessoas relembrando a Líder FM dessa e de outras fases. Alguns são tão bons que me deixaram, já na época, com vontade de escrever um novo post só para que eles ficassem mais "visíveis".

Nesta terça-feira, o Edmauro Novais, que teve participação essencial no primeiro post, enviou imagem da capa de outro CD da rádio na fase Black, retirada de um blog que disponibiliza a playlist e o link para download do CD. Foi…

Um pouco da história da Rádio Tupi AM (SP)

Muita gente reclama da "falta de memória" da TV, não só pelo descaso das emissoras que apagavam seus arquivos sem a menor culpa, mas também pela dificuldade em encontrar informações consistentes e confiáveis sobre a história da televisão. Quem reclama tem razão, mas essa falta de memória nem se compara com a escassez de registros sobre a história do rádio!

Tive que procurar, para um trabalho, a história da Tupi AM de São Paulo, e descobri que não existe nenhum lugar que traga essas informações. Para se ter uma ideia, não consegui encontrar nem o ano em que a Tupi AM de Paulo Abreu foi inaugurada!

Encontrei alguns dados em diversos endereços na Internet - faço questão de deixar os links ao longo do texto - que, aliados ao pouco que lembrava, me ajudaram na montagem do quebra-cabeças da trajetória (ou das trajetórias) da Tupi.

O resultado não ficou tão completo quanto esperava, mas deixo aqui o que encontrei, primeiro por não ter visto essa história resumida em nenhum lugar, e de…

Especial: As vinhetas de abertura e encerramento da programação na TV

Antes da TV paga ou da multiplicação de televendas e telepastores, era padrão as emissoras de TV não permanecerem no ar 24 horas por dia. No máximo, a Globo "virava" as noites de sexta e sábado com o lendário "Corujão"; as demais - incluindo a Globo em outros dias - só funcionavam de madrugada em ocasiões esporádicas e especiais.

Por isso, quase todas se preocupavam em criar vinhetas específicas para a chegada e despedida diárias. E, diferente do que se esperaria de vinhetas exibidas duas vezes por dia nos horários mais periféricos da grade, muitas delas foram marcantes na história das emissoras e são lembradas até hoje.

Preparei uma lista com algumas das mais famosas. Os vídeos são antigos e estão no YouTube há muito tempo, mas são alguns dos meus favoritos - e imagino que não sejam só meus.


GLOBO

Nos primeiros anos de Hans Donner, uma sequência de formas tridimensionais ilustrava a mensagem de encerramento:


Na década de 1980, a mensagem foi substituída pela apresentaç…