Pular para o conteúdo principal

Crise na CBM vai retirar metade da Editora Peixes das bancas

O Portal Imprensa publicou na quarta-feira que a CBM (Companhia Brasileira de Multimídia) anunciou reestruturação que levará ao encerramento de cinco publicações da Editora Peixes. Os títulos "eleitos" pelo grupo para extinção compõem metade do portfólio atual da editora. Tratam-se das revistas Terra, DOM, SKT, Speak Up e ¡Habla!. O objetivo é "reequilibrar as finanças da empresa".

Terra, DOM, SKT, Speak Up e ¡Habla!: metade do portfólio da Editora Peixes que deixará de circular

De acordo com a matéria, a CBM garantiu que "os conteúdos relacionados às cinco publicações que serão encerradas deverão compor um megaportal de informação e entretenimento" a ser lançado em breve.

A reportagem do site procurou a Peixes, que alegou, via assessoria de imprensa, que as notícias "não conferem exatamente com o que de fato aconteceu" e que a editora se pronunciaria a respeito do assunto ainda na quarta-feira. Procurei alguma informação sobre o tal pronunciamento e, até agora, não vi nada. Continuarão nas bancas Fluir, Gula, Próxima Viagem, Set e ViverBem.

As revistas que continuarão a ser publicadas

Curto e grosso: isso é o que acontece quando se dá o passo maior que a perna!

E explico: no ano passado, a CBM parecia querer comprar tudo o que visse pela frente, e divulgava, sempre que possível, a pretensão de ser o terceiro maior conglomerado de mídia do país em cinco anos. O grupo de Nelson Tanure comprou a Peixes, alugou a CNT e tentou comprar a Editora Três quase que numa tacada só, antes de pensar em reestruturar de verdade seus principais veículos (Jornal do Brasil e Gazeta Mercantil). O resultado disso foi o fim da TVJB com três meses no ar, um esvaziamento ainda maior do JB de um ano prá cá e, agora, essa notícia da Peixes. A Editora Três continua funcionando - A CBM não conseguiu fechar o negócio na época.

E não adianta alguém vir culpar a crise econômica mundial, porque ela não chegou aqui - e provavelmente nem vá chegar - com a força que está em outros países. A maioria das empresas que estão diminuindo investimentos no Brasil faz isso por medo da crise e não por algum efeito muito devastador que ela já tenha provocado. Tanure vai demitir por incapacidade administrativa, mesmo (ou por "dar o passo maior que a perna", numa linguagem menos tucanada, como diria o José Simão).

Tomara que a CBM se "reequilibre" como pretende. Um número maior de grupos fortes de mídia vai deixar menos espaço para os gigantes de sempre, diminuindo o oligopólio que tanta gente critica. Mas tomara que a recuperação transforme o grupo em algo mais sólido e mais responsável.

Agora entendo porque o fim da TVJB quase não teve repercussão.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Relembrando a Líder FM de São Paulo

Em janeiro deste ano, publiquei aqui e no Tele História um post sobre o curto período em que a Líder FM, emissora popular da Grande São Paulo de grande audiência nos anos 90, adotou o slogam "Cheia de Charme" e passou a se dedicar à Black Music. No final do post, pedia para quem tivesse mais informações sobre esse período enviasse comentários, para que todo mundo que lê o blog e a coluna do Tele História - inclusive eu - pudesse resgatar um pouco da história dessa simpática emissora que acabou caindo um pouco no esquecimento.

De lá pra cá, recebi comentários de pessoas relembrando a Líder FM dessa e de outras fases. Alguns são tão bons que me deixaram, já na época, com vontade de escrever um novo post só para que eles ficassem mais "visíveis".

Nesta terça-feira, o Edmauro Novais, que teve participação essencial no primeiro post, enviou imagem da capa de outro CD da rádio na fase Black, retirada de um blog que disponibiliza a playlist e o link para download do CD. Foi…

Um pouco da história da Rádio Tupi AM (SP)

Muita gente reclama da "falta de memória" da TV, não só pelo descaso das emissoras que apagavam seus arquivos sem a menor culpa, mas também pela dificuldade em encontrar informações consistentes e confiáveis sobre a história da televisão. Quem reclama tem razão, mas essa falta de memória nem se compara com a escassez de registros sobre a história do rádio!

Tive que procurar, para um trabalho, a história da Tupi AM de São Paulo, e descobri que não existe nenhum lugar que traga essas informações. Para se ter uma ideia, não consegui encontrar nem o ano em que a Tupi AM de Paulo Abreu foi inaugurada!

Encontrei alguns dados em diversos endereços na Internet - faço questão de deixar os links ao longo do texto - que, aliados ao pouco que lembrava, me ajudaram na montagem do quebra-cabeças da trajetória (ou das trajetórias) da Tupi.

O resultado não ficou tão completo quanto esperava, mas deixo aqui o que encontrei, primeiro por não ter visto essa história resumida em nenhum lugar, e de…

Especial: As vinhetas de abertura e encerramento da programação na TV

Antes da TV paga ou da multiplicação de televendas e telepastores, era padrão as emissoras de TV não permanecerem no ar 24 horas por dia. No máximo, a Globo "virava" as noites de sexta e sábado com o lendário "Corujão"; as demais - incluindo a Globo em outros dias - só funcionavam de madrugada em ocasiões esporádicas e especiais.

Por isso, quase todas se preocupavam em criar vinhetas específicas para a chegada e despedida diárias. E, diferente do que se esperaria de vinhetas exibidas duas vezes por dia nos horários mais periféricos da grade, muitas delas foram marcantes na história das emissoras e são lembradas até hoje.

Preparei uma lista com algumas das mais famosas. Os vídeos são antigos e estão no YouTube há muito tempo, mas são alguns dos meus favoritos - e imagino que não sejam só meus.


GLOBO

Nos primeiros anos de Hans Donner, uma sequência de formas tridimensionais ilustrava a mensagem de encerramento:


Na década de 1980, a mensagem foi substituída pela apresentaç…