Pular para o conteúdo principal

91 3 - Que rádio era essa?

A chegada da Rádio Disney a São Paulo marca o fim de um vitrolão que chegou a completar aniversário em 91,3 MHz, mas também o fim do "semi-abandono" que o espaço teve por mais de uma década.

Manchete FM, Manchete Gospel, Nossa Rádio e Rádio Disney: as emissoras que ocuparam os 91,3 MHz entre 1978 e 2010.

A frequência entrou no ar pela primeira vez em 1978 e nasceu para abrigar a filial paulistana da Manchete FM, numa época em que a família Bloch, ainda sem TV, vivia a ascensão de seu império midiático. Com cinco emissoras próprias (Rio de Janeiro, São Paulo, Brasília, Recife e Salvador), a Manchete FM ficou no ar até 1998 e, em 20 anos, foi pop, popular, dance, adulta e popular de novo, tendo a maioria dessas mudanças de estilo mais relação com a situação da TV do que com eventuais fracassos da rádio.

A primeira fase pop, no ar até a primeira metade dos anos 80, chegou a superar a Rádio Cidade em audiência e já foi citada por Tutinha como referência para a inclusão de locutores ao vivo na programação da Jovem Pan. A última fase popular, na segunda metade dos anos 90, surgiu da tentativa da matriz carioca de assumir o lugar da antiga 105 FM, rádio popular de grande audiência no Rio que foi vendida para a Igreja Universal e transformada em Rede Aleluia.

Desacreditada e pouco relevante para o rádio paulistano - a Manchete FM popular ressurgiu num dial onde concorriam Gazeta, Líder, Apollo, Nativa, Band, Cidade, Imprensa, Tupi, Transcontinental, 105 e Tropical - , foi alugada para a Igreja Renascer em fevereiro de 1998, quando passou a se chamar Manchete Gospel.

Com a falência dos Bloch, as concessões foram vendidas para o grupo de Orestes Quércia, que queria as frequências das outras praças para ampliar sua rede Nova Brasil FM. Como a rádio já transmitia para a capital paulista em 89,7 MHz, Quércia manteve o contrato de arrendamento dos 91,3 MHz com a Renascer.

Em 2002, a Igreja Renascer transferiu a Manchete Gospel para uma frequência própria (88,5 - atual 90,1 MHz) e mudou seu nome para Gospel FM. Um vitrolão de Pop/Rock identificado como Manchete FM chegou a funcionar por poucos dias em 91,3 MHz, mas o espaço foi alugado para o Missionário R. R. Soares, da Igreja da Graça, dando origem à Nossa Rádio FM.

Em 2006, Quércia vendeu a concessão para os gaúchos da RBS. Na época, notícias sinalizavam que os novos proprietários dariam um rumo à frequência, mas a programação da Nossa Rádio continuou no ar.

Em outubro do ano passado, a Nossa Rádio passou a transmitir simultaneamente em 91,3 e 106,9 MHz e, em novembro, deixou os 91,3. A partir de então, era certo que a RBS usaria a emissora para, enfim, estrear a rede adulta Itapema FM: a razão social já havia mudado para "Rádio Itapema FM de São Paulo Ltda." e a rádio estava transmitindo um vitrolão de flashbacks. Mas o vitrolão não saía do ar, e nada de alguém falar sobre a Itapema! Até que, em abril desse ano, a rádio foi vendida mais uma vez - e, dessa vez, para alguém que tinha o que fazer com o espaço.


SAIBA MAIS
Veja: matéria histórica sobre a revolução das FMs (1984)

Saiba como era o dial FM de São Paulo de quase 30 anos atrás (com áudio)

Comentários

  1. Minha curiosidade é...
    O que fez um grupo como o RBS desistir antes mesmo de tentar? rs rs

    É de conhecimento público o fato de que há algumas amarras que a Globo impõe ao pessoal desse grupo, por saber que esse é justamente o maior grupo de comunicação que se afiliou a sua poderosa rede de televisão. Muuuito estranha essa história...


    Edmauro Novais

    ResponderExcluir
  2. Há tempos considero que o rádio paulista está decadente, tanto AM quanto FM. Lembro de uma fase 1993 onde a Manchete tocava blues, black, Mariah Carey, etc,mas depois desandou de vez. Mas é louvável esse investimento e espero que não seja uma experiência 'água de salsicha', caso não haja resultados imediatos.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Relembrando a Líder FM de São Paulo

Em janeiro deste ano, publiquei aqui e no Tele História um post sobre o curto período em que a Líder FM, emissora popular da Grande São Paulo de grande audiência nos anos 90, adotou o slogam "Cheia de Charme" e passou a se dedicar à Black Music. No final do post, pedia para quem tivesse mais informações sobre esse período enviasse comentários, para que todo mundo que lê o blog e a coluna do Tele História - inclusive eu - pudesse resgatar um pouco da história dessa simpática emissora que acabou caindo um pouco no esquecimento.

De lá pra cá, recebi comentários de pessoas relembrando a Líder FM dessa e de outras fases. Alguns são tão bons que me deixaram, já na época, com vontade de escrever um novo post só para que eles ficassem mais "visíveis".

Nesta terça-feira, o Edmauro Novais, que teve participação essencial no primeiro post, enviou imagem da capa de outro CD da rádio na fase Black, retirada de um blog que disponibiliza a playlist e o link para download do CD. Foi…

Um pouco da história da Rádio Tupi AM (SP)

Muita gente reclama da "falta de memória" da TV, não só pelo descaso das emissoras que apagavam seus arquivos sem a menor culpa, mas também pela dificuldade em encontrar informações consistentes e confiáveis sobre a história da televisão. Quem reclama tem razão, mas essa falta de memória nem se compara com a escassez de registros sobre a história do rádio!

Tive que procurar, para um trabalho, a história da Tupi AM de São Paulo, e descobri que não existe nenhum lugar que traga essas informações. Para se ter uma ideia, não consegui encontrar nem o ano em que a Tupi AM de Paulo Abreu foi inaugurada!

Encontrei alguns dados em diversos endereços na Internet - faço questão de deixar os links ao longo do texto - que, aliados ao pouco que lembrava, me ajudaram na montagem do quebra-cabeças da trajetória (ou das trajetórias) da Tupi.

O resultado não ficou tão completo quanto esperava, mas deixo aqui o que encontrei, primeiro por não ter visto essa história resumida em nenhum lugar, e de…

Especial: As vinhetas de abertura e encerramento da programação na TV

Antes da TV paga ou da multiplicação de televendas e telepastores, era padrão as emissoras de TV não permanecerem no ar 24 horas por dia. No máximo, a Globo "virava" as noites de sexta e sábado com o lendário "Corujão"; as demais - incluindo a Globo em outros dias - só funcionavam de madrugada em ocasiões esporádicas e especiais.

Por isso, quase todas se preocupavam em criar vinhetas específicas para a chegada e despedida diárias. E, diferente do que se esperaria de vinhetas exibidas duas vezes por dia nos horários mais periféricos da grade, muitas delas foram marcantes na história das emissoras e são lembradas até hoje.

Preparei uma lista com algumas das mais famosas. Os vídeos são antigos e estão no YouTube há muito tempo, mas são alguns dos meus favoritos - e imagino que não sejam só meus.


GLOBO

Nos primeiros anos de Hans Donner, uma sequência de formas tridimensionais ilustrava a mensagem de encerramento:


Na década de 1980, a mensagem foi substituída pela apresentaç…