Pular para o conteúdo principal

Luiz Carlos Azenha: "E os arquivos da Folha?"

Um Ctrl+C Ctrl+V necessário, do site de Luiz Carlos Azenha, o Vi o Mundo, que conheci há pouco tempo. Fica a indicação: viomundo.com.br, e esse texto repercutindo a "ditabranda" da Folha, bastante comentada por aí nos últimos dias:

E os arquivos da Folha?
por Luiz Carlos Azenha

O último jornal que eu assinava, o
Valor Econômico, vai dançar em breve. É ruim, com algumas exceções. Raro encontrar algo que valha a pena. Tem muito de "relações públicas" e pouco Jornalismo. Poucas matérias instigantes, das quais você se lembre no dia seguinte. Tal é o estágio do jornalismo brasileiro, vítima da arrogância dos patrões, conivência ou má qualidade dos profissionais -- frequentemente uma combinação dos dois -- e submissão a interesses políticos ou econômicos de certos grupos.

Pela internet recebo artigos. Um deles, de Janio de Freitas, faz críticas ao historiador Marco Antonio Villa, aquele que "reescreveu" a História da ditadura militar brasileira para se enquadrar na versão "ditabranda" do jornal.
O "artigo" do "historiador" está aqui.

A
Folha sempre foi um jornal marqueteiro. Nada me tira da cabeça que essas polêmicas são produzidas para dar vida ao jornal.

As polêmicas "internas" acabam servindo a um objetivo, consciente ou não: escamotear a história do próprio jornal. O grupo
Folha da Manhã colaborou com a ditadura militar. Deu apoio material ao regime.

Veículos foram utilizados para transportar presos politicos. A
Folha da Tarde foi "entregue" aos órgãos de repressão, de acordo com o livro "Cães de Guarda", de Beatriz Kushnir. Ouça aqui o depoimento da Beatriz.

O ex-preso político Ivan Seixas me disse textualmente: "Vi um carro da
Folha da Tarde na porta da Operação Bandeirantes (OBAN)", o centro de tortura da rua Tutóia, em São Paulo. Ouça aqui o depoimento de Ivan.

Uma leitora do
Viomundo escreveu que foi transportada em uma C-14 de propriedade do jornal. Ela escreveu:

laura (08/03/2009 - 05:46)
A Folha fornecia suas peruas de distribuição de jornais, as C 14 para levar os presos sob metralhadoras para serem tortrurados ou morrer no DOI-CODI. Eu fui levada para lá, numa delas, beje.Quando vc via uma perua c14 sabia que estava sendo perseguido. Essa a contribuição da Folha para a SUA "ditabranda". Há que falar claramente qual é a "liberdade" da Folha de São Paulo, um jornal que mente.

A jornalista Rose Nogueira, em entrevista a Rodrigo Vianna, mostrou os documentos que comprovam que foi demitida por "abandono de emprego" quando até as pastilhas da Barão de Limeira sabiam que ela estava na cadeia.
Clique aqui para ir ao site do Rodrigo.

Um jornalista do
Meio&Mensagem foi demitido por escrever a verdade sobre Otávio Frias de Oliveira. A biografia do publisher da Folha não toca nesses assuntos. Está aqui.

Como é que um jornal pretende cobrar transparência do governo federal, do governo estadual e do governo municipal se não é transparente em relação à sua própria História?

Não acho que a
Folha seja particularmente melhor ou pior que este ou aquele jornal ou grupo de mídia. Que ela coloque os negócios acima do Jornalismo é previsível. Mas que faça isso com a conivência de jornalistas e historiadores e políticos me incomoda. Os coniventes com isso só pensam em uma coisa: nos artigos que pretendem publicar na Folha, nas resenhas sobre os livros que pretendem lançar, nas notas "amigas" nas colunas do jornal. Tal é o poder da mídia no mundo de hoje: o de elo de ligação em uma sociedade ao mesmo tempo de massas e atomizada em grupos de interesse. Caberia à mídia o papel de fazer essa interação, dando voz a todos os agentes políticos e econômicos.

Mas o monopólio exercido por algumas famílias sobre a mídia dá a elas esse papel extraordinário. Eles não só filtram a informação, eles vendem livros, discos, filmes. Escritores, músicos e cineastas ficam, portanto, subordinados aos interesses da grande mídia. O mesmo vale para historiadores e cientistas. E artistas. Quem é que vai criticar a
Folha publicamente se amanhã o jornal fará uma resenha sobre a peça de teatro? Quem é que vai criticar a Globo e correr o risco de ser banido da televisão? Mesmo os políticos massacrados pela mídia se recusam a admitir o óbvio: como está, não dá para ficar.

Infelizmente, a mídia corporativa brasileira assumiu para si o papel que a Censura Federal fazia na ditadura militar: enquanto censura alguns atores políticos e econômicos -- quando não os criminaliza --, faz propaganda em defesa de outros. Por isso é preciso ir além das picuinhas eventuais a respeito deste ou daquele jornalista, deste ou daquele orgão de imprensa. É preciso pensar genuinamente na promoção de políticas públicas que sejam capazes de combater a ditadura midiática que nos foi imposta por meia dúzia de famílias.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Relembrando a Líder FM de São Paulo

Em janeiro deste ano, publiquei aqui e no Tele História um post sobre o curto período em que a Líder FM, emissora popular da Grande São Paulo de grande audiência nos anos 90, adotou o slogam "Cheia de Charme" e passou a se dedicar à Black Music. No final do post, pedia para quem tivesse mais informações sobre esse período enviasse comentários, para que todo mundo que lê o blog e a coluna do Tele História - inclusive eu - pudesse resgatar um pouco da história dessa simpática emissora que acabou caindo um pouco no esquecimento.

De lá pra cá, recebi comentários de pessoas relembrando a Líder FM dessa e de outras fases. Alguns são tão bons que me deixaram, já na época, com vontade de escrever um novo post só para que eles ficassem mais "visíveis".

Nesta terça-feira, o Edmauro Novais, que teve participação essencial no primeiro post, enviou imagem da capa de outro CD da rádio na fase Black, retirada de um blog que disponibiliza a playlist e o link para download do CD. Foi…

Um pouco da história da Rádio Tupi AM (SP)

Muita gente reclama da "falta de memória" da TV, não só pelo descaso das emissoras que apagavam seus arquivos sem a menor culpa, mas também pela dificuldade em encontrar informações consistentes e confiáveis sobre a história da televisão. Quem reclama tem razão, mas essa falta de memória nem se compara com a escassez de registros sobre a história do rádio!

Tive que procurar, para um trabalho, a história da Tupi AM de São Paulo, e descobri que não existe nenhum lugar que traga essas informações. Para se ter uma ideia, não consegui encontrar nem o ano em que a Tupi AM de Paulo Abreu foi inaugurada!

Encontrei alguns dados em diversos endereços na Internet - faço questão de deixar os links ao longo do texto - que, aliados ao pouco que lembrava, me ajudaram na montagem do quebra-cabeças da trajetória (ou das trajetórias) da Tupi.

O resultado não ficou tão completo quanto esperava, mas deixo aqui o que encontrei, primeiro por não ter visto essa história resumida em nenhum lugar, e de…

Especial: As vinhetas de abertura e encerramento da programação na TV

Antes da TV paga ou da multiplicação de televendas e telepastores, era padrão as emissoras de TV não permanecerem no ar 24 horas por dia. No máximo, a Globo "virava" as noites de sexta e sábado com o lendário "Corujão"; as demais - incluindo a Globo em outros dias - só funcionavam de madrugada em ocasiões esporádicas e especiais.

Por isso, quase todas se preocupavam em criar vinhetas específicas para a chegada e despedida diárias. E, diferente do que se esperaria de vinhetas exibidas duas vezes por dia nos horários mais periféricos da grade, muitas delas foram marcantes na história das emissoras e são lembradas até hoje.

Preparei uma lista com algumas das mais famosas. Os vídeos são antigos e estão no YouTube há muito tempo, mas são alguns dos meus favoritos - e imagino que não sejam só meus.


GLOBO

Nos primeiros anos de Hans Donner, uma sequência de formas tridimensionais ilustrava a mensagem de encerramento:


Na década de 1980, a mensagem foi substituída pela apresentaç…