Pular para o conteúdo principal

Revista Manchete nas bancas

Chegou nesta semana às bancas da Grande São Paulo, Grande Rio e mais 60 praças a Revista Manchete nº 2539, que fala sobre o aniversário de 48 anos da inauguração de Brasília e destaca texto do jornalista e membro da Academia Brasileira de Letras, Murilo Melo Filho, que escreveu para a revista por 40 anos.
A distribuição fica por conta da Dinap (Distribuidora Nacional de Publicações), do Grupo Abril, que anuncia em seu site a edição como homenagem que mostra "a capital que o Brasil ainda não conhece".
A publicação tem aparecido nas bancas pelo menos uma vez por ano com a tradicional edição de carnaval, seguindo sua numeração original. Edições como a deste mês são esporádicas e aparecem sem alarde.
Interessante é a exploração de tema "típico" da Manchete dos tempos da Bloch Editores. Adolpho Bloch era um dos maiores amigos do ex-presidente Juscelino Kubitshek e costumava dizer que a revista Manchete tinha crescido com Brasília, devido ao retorno obtido graças à privilegiada cobertura sobre a construção e inauguração da atual capital.
Manchete deixou de ser semanal em agosto de 2000, com a falência da Bloch Editores. Em dezembro de 2002 o ex-diretor geral da Editora Globo, Marcos Dvoskin, arrematou o acervo e 18 marcas da Bloch Editores, incluindo as revistas Pais & Filhos e Ele Ela, que voltaram a circular através da nova Editora Manchete.
A primeira edição de carnaval, de 2004, tinha prefácio do próprio Dvoskin, que se referia à Adolpho Bloch como "grande brasileiro". Na ocasião, Dvoskin lançava para a imprensa as revistas como uma continuação do trabalho de Adolpho Bloch e dizia que Manchete voltaria a ser semanal.
Sobre a continuação, parece que vem cumprindo o "prometido": em 2006 a revista já teve edição especial sobre JK (foto abaixo, à direita, em montagem com duas famosas edições semelhantes da Bloch Editores) e o prefácio desta edição, também escrito por Dvoskin, ressalta a importância da Revista Manchete nos primeiros anos de Brasília e reforça sua constante homenagem ao criador da publicação. Resta saber quando a revista vai voltar a ser semanal, se é que ainda existe a idéia!


SAIBA MAIS
http://www.coletiva.net/perfilDetalhe.php?idPerfil=60
http://www.academia.org.br/abl/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=472&sid=224

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Relembrando a Líder FM de São Paulo

Em janeiro deste ano, publiquei aqui e no Tele História um post sobre o curto período em que a Líder FM, emissora popular da Grande São Paulo de grande audiência nos anos 90, adotou o slogam "Cheia de Charme" e passou a se dedicar à Black Music. No final do post, pedia para quem tivesse mais informações sobre esse período enviasse comentários, para que todo mundo que lê o blog e a coluna do Tele História - inclusive eu - pudesse resgatar um pouco da história dessa simpática emissora que acabou caindo um pouco no esquecimento.

De lá pra cá, recebi comentários de pessoas relembrando a Líder FM dessa e de outras fases. Alguns são tão bons que me deixaram, já na época, com vontade de escrever um novo post só para que eles ficassem mais "visíveis".

Nesta terça-feira, o Edmauro Novais, que teve participação essencial no primeiro post, enviou imagem da capa de outro CD da rádio na fase Black, retirada de um blog que disponibiliza a playlist e o link para download do CD. Foi…

Especial: As vinhetas de abertura e encerramento da programação na TV

Antes da TV paga ou da multiplicação de televendas e telepastores, era padrão as emissoras de TV não permanecerem no ar 24 horas por dia. No máximo, a Globo "virava" as noites de sexta e sábado com o lendário "Corujão"; as demais - incluindo a Globo em outros dias - só funcionavam de madrugada em ocasiões esporádicas e especiais.

Por isso, quase todas se preocupavam em criar vinhetas específicas para a chegada e despedida diárias. E, diferente do que se esperaria de vinhetas exibidas duas vezes por dia nos horários mais periféricos da grade, muitas delas foram marcantes na história das emissoras e são lembradas até hoje.

Preparei uma lista com algumas das mais famosas. Os vídeos são antigos e estão no YouTube há muito tempo, mas são alguns dos meus favoritos - e imagino que não sejam só meus.


GLOBO

Nos primeiros anos de Hans Donner, uma sequência de formas tridimensionais ilustrava a mensagem de encerramento:


Na década de 1980, a mensagem foi substituída pela apresentaç…

Um pouco da história da Rádio Tupi AM (SP)

Muita gente reclama da "falta de memória" da TV, não só pelo descaso das emissoras que apagavam seus arquivos sem a menor culpa, mas também pela dificuldade em encontrar informações consistentes e confiáveis sobre a história da televisão. Quem reclama tem razão, mas essa falta de memória nem se compara com a escassez de registros sobre a história do rádio!

Tive que procurar, para um trabalho, a história da Tupi AM de São Paulo, e descobri que não existe nenhum lugar que traga essas informações. Para se ter uma ideia, não consegui encontrar nem o ano em que a Tupi AM de Paulo Abreu foi inaugurada!

Encontrei alguns dados em diversos endereços na Internet - faço questão de deixar os links ao longo do texto - que, aliados ao pouco que lembrava, me ajudaram na montagem do quebra-cabeças da trajetória (ou das trajetórias) da Tupi.

O resultado não ficou tão completo quanto esperava, mas deixo aqui o que encontrei, primeiro por não ter visto essa história resumida em nenhum lugar, e de…