Pular para o conteúdo principal

Vermelho: "Homofobia da mídia vai da novela das 8 até Zorra Total e BBB"

Numa entrevista recente a um jornal brasileiro, o autor de novelas Silvio de Abreu afirmou que o público não está preparado para assistir a cenas de afeto entre gays no horário nobre. "É uma exposição com a qual parte do público que não é gay pode se chocar. Não adianta colocar, não vai passar", disse o enfático noveleiro.

Do Portal Vermelho:

Por mais polêmica que pareça ser, a declaração é sintomática da visão geral do telespectador sobre o gay no país. É o que afirma Irineu Ramos Ribeiro, jornalista e pesquisador de estudos de gênero, que acaba de lançar A TV no Armário — livro que examina a identidade GLS nos programas de televisão.

Escrita a partir de sua tese de mestrado na Universidade Paulista (Unip), a obra argumenta que a televisão, principalmente a aberta, ainda está longe de tratar o tema com naturalidade e sem preconceitos. Seus exemplos vão desde a cobertura na TV aberta da parada gay de São Paulo de 2007, a edição gay do programa Beija Sapo, da MTV, os programas humorísticos Zorra Total e Sob Nova Direção, além do último episódio da novela América.

Ribeiro conclui: a cobertura ainda é preconceituosa, visa associar gays a comportamentos de risco, utiliza de caricaturas primárias para fazer humor e, quando tenta cobrir manifestações gays de peso como a parada, acaba caindo em mais numa representação ligada ao consumo que propriamente homossexual.

O autor concedeu entrevista a André Duchiade, para o "Caderno B" do
Jornal do Brasil. Baseando sua pesquisa na teoria dos "filósofos da diferença" - como Michel Foucault e Gilles Deleuze -, Ribeiro afirma que a TV ainda está presa a abordagens controladoras e desrespeitosas da cultura queer.

Jornal do Brasil – Como a televisão age em relação à sexualidade não-normativa e plural?
Irineu Ramos Ribeiro – A mídia tem um poder brutal e estabelece relações de poder com identidades. Para dominar certas identidades, ela desqualifica o outro; ao fazer isso, se afirma como superior. No programa de humor, por exemplo, pega uma caricatura que só pensa em bofes. A ideia é passar para o espectador que, se você quiser ser gay, será igual a essa figura ordinária e afetada, porque essa é tolerada.

JB – Isso acontece mesmo em abordagens jornalísticas, como as da parada?
IRR – A parada gay de São Paulo de 2007 saiu 48 vezes na TV aberta. Praticamente nenhuma matéria falava sobre homossexualidade, mas sim sobre gays chegando à cidade, compras, e outras coisas. Mas isso não é matéria sobre gays, é de turismo ou lazer! O gay nada mais é que um gancho para ela falar sobre o que sabe.

Uma semana antes da parada teve um protesto de punks que causou prejuízos na Avenida Paulista, e naquela reportagem faziam conexões com a parada que aconteceria sete dias depois, quer dizer, tentavam associar o evento à violência. Além disso, quando cobrem a parada gay, entrevistam apenas drag queens ou outras figuras caricatas, e nunca os caras barbados que estão na esquina. Fazem isso porque não sabem abordar essa figura próxima mas diferente.

JB – O seu livro também fala de programas de humor como Zorra Total, que trabalham com estereótipos...
IRR – No geral, programas de humor utilizam a caricatura gay da pior forma possível. O Zorra Total agora tem o Serginho do BBB e um outro cara que é igual a ele. Eles só trabalham numa loja, só disputam o bofe. Assistindo àquilo, fica claro que nem a pessoa mais afetada é tão fútil. Parecem palhaços que não têm vida nem família, só pensam em sexo.

Mas não precisava ser assim. Aqui em São Paulo, por exemplo, tem um grupo de teatro que se apresenta às terças chamado Terça Insana. Um dos personagens se chama Betina Botox. É um gay superfeminino e o tempo todo conta piadas, mas em momento nenhum ele é desqualificado, o tempo todo mistura a graça com a identidade.

JB – As novelas agora quase sempre têm gays entre os personagens. Isso é uma evolução na representação homossexual?
IRR – Seria se ocupassem papéis ligados à trama central. Mas, ao contrário, estão em historinhas paralelas, de modo que, se você tirar o personagem de um dia pro outro, ninguém perceberá. Os autores os colocam porque existe pressão de grupos organizados que querem exposição na mídia. Em política sempre se adota um pouco o outro, porque isso encerra a discussão, mas a questão em si nunca acaba.

JB – E o Big Brother?
IRR – Achei a concepção inicial deste último BBB fantástica, porque incluíram muitos personagens de setores GLS. Mas depois a produção cerceou os gays: eles não podiam manifestar afeto ou desejo. Di Cesar, por exemplo, começou a conversar muito com o Dourado: a TV mostrava que eles estavam se aproximando, até que Bial começou a insinuar que estava rolando alguma coisa. O sujeito se trancou no armário e qualquer tentativa de sair foi reprimida. O BBB colocou todos no armário, no meio do caminho.

Fonte:
Jornal do Brasil

Comentários

  1. Sem dúvida, preconceito e estereotipo caem sempre no senso comum, do diferente, logo, exdrúxulo, afetado e porque não divertido.

    Acho que é algo de berço, complicado de ser mudado ou mesmo discutido abertamente. É bonito quando você é famoso, etc. Mas, para o cidadão comum e muita das vezes casado, sei não.

    Raça a quem se assume, se gosta e não precisa desmunhecar para isso. Até porque o que tem de Bi ou gente que só quer experimentar por aí ...

    ResponderExcluir
  2. Anderson,
    A sexualidade sempre é um assunto delicado e polêmico, muitas pessoas não gostam de falar na sexualidade "tradicional"(homem e mulher), imagina falar abertamente de homo e bissexualidade

    Essa repressão é algo muito forte, o proprio Silvio de Abreu declarou que o ator/galã não devia assumir sua homossexualidade pra não prejudicar a carreira.

    Isso me fez lembrar do falecido ator Rock Hudson (1925-1985), galã dos anos 50, Rock que era gay, foi obrigado pelos estúdios a não só esconder sua atração sexual como foi obrigado a se casar com sua secretária.Pouco antes de morrer não só admitiu sua orientação sexual como também admitiu ter AIDS e que estava
    morrendo.

    Isso deve ocorrer nos dias de hoje nos estúdios de gravação, atores gays que escondem sua opção
    E em tempos de internet, boatos existem as pencas, várias comunidades do Orkut tem listas de atores que supostamente são gays.

    ResponderExcluir
  3. Peter,

    Na entrevista que o Silvio de Abreu deu pra Monica Bergamo, na Folha, ele afirma, basicamente, que os atores e atrizes não assumem homossexualidade por causa da idealização que as fãs heterossexuais fazem dos galãs como "príncipes encantados".

    Mas não acredito que esse seja o único motivo. Como alguém assumir com naturalidade se a mídia trata o assunto como freak show?

    Quer um exemplo? Ontem, no TV Fama, depois de uma reportagem na Parada Gay, Nelson Rubens disse que "daqui a pouco" o telespectador veria mais "figuras bizarras da Parada Gay"!

    Ele falou merda? Sim, mas foi assim que o TV Fama tratou a parada - que é, por natureza, uma manifestação política, e que todo ano traz algum tema central pra discussão, ignorado pela mídia. Pra não dizer que todo mundo ignora e só procura caricaturas, vi uma reportagem no "Repórter Brasil", da TV Brasil, falando sobre o tema desse ano: o voto contra a homofobia. Só!

    Aí tem muita gente que é contra a parada gay pelo fato do evento ter muito mais figuras caricatas, sexo, pegação etc. do que manifestação política. Mas será que a abordagem da mídia ao evento (e à própria homossexualidade) não estimula isso?

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Relembrando a Líder FM de São Paulo

Em janeiro deste ano, publiquei aqui e no Tele História um post sobre o curto período em que a Líder FM, emissora popular da Grande São Paulo de grande audiência nos anos 90, adotou o slogam "Cheia de Charme" e passou a se dedicar à Black Music. No final do post, pedia para quem tivesse mais informações sobre esse período enviasse comentários, para que todo mundo que lê o blog e a coluna do Tele História - inclusive eu - pudesse resgatar um pouco da história dessa simpática emissora que acabou caindo um pouco no esquecimento.

De lá pra cá, recebi comentários de pessoas relembrando a Líder FM dessa e de outras fases. Alguns são tão bons que me deixaram, já na época, com vontade de escrever um novo post só para que eles ficassem mais "visíveis".

Nesta terça-feira, o Edmauro Novais, que teve participação essencial no primeiro post, enviou imagem da capa de outro CD da rádio na fase Black, retirada de um blog que disponibiliza a playlist e o link para download do CD. Foi…

Um pouco da história da Rádio Tupi AM (SP)

Muita gente reclama da "falta de memória" da TV, não só pelo descaso das emissoras que apagavam seus arquivos sem a menor culpa, mas também pela dificuldade em encontrar informações consistentes e confiáveis sobre a história da televisão. Quem reclama tem razão, mas essa falta de memória nem se compara com a escassez de registros sobre a história do rádio!

Tive que procurar, para um trabalho, a história da Tupi AM de São Paulo, e descobri que não existe nenhum lugar que traga essas informações. Para se ter uma ideia, não consegui encontrar nem o ano em que a Tupi AM de Paulo Abreu foi inaugurada!

Encontrei alguns dados em diversos endereços na Internet - faço questão de deixar os links ao longo do texto - que, aliados ao pouco que lembrava, me ajudaram na montagem do quebra-cabeças da trajetória (ou das trajetórias) da Tupi.

O resultado não ficou tão completo quanto esperava, mas deixo aqui o que encontrei, primeiro por não ter visto essa história resumida em nenhum lugar, e de…

Especial: As vinhetas de abertura e encerramento da programação na TV

Antes da TV paga ou da multiplicação de televendas e telepastores, era padrão as emissoras de TV não permanecerem no ar 24 horas por dia. No máximo, a Globo "virava" as noites de sexta e sábado com o lendário "Corujão"; as demais - incluindo a Globo em outros dias - só funcionavam de madrugada em ocasiões esporádicas e especiais.

Por isso, quase todas se preocupavam em criar vinhetas específicas para a chegada e despedida diárias. E, diferente do que se esperaria de vinhetas exibidas duas vezes por dia nos horários mais periféricos da grade, muitas delas foram marcantes na história das emissoras e são lembradas até hoje.

Preparei uma lista com algumas das mais famosas. Os vídeos são antigos e estão no YouTube há muito tempo, mas são alguns dos meus favoritos - e imagino que não sejam só meus.


GLOBO

Nos primeiros anos de Hans Donner, uma sequência de formas tridimensionais ilustrava a mensagem de encerramento:


Na década de 1980, a mensagem foi substituída pela apresentaç…