Pular para o conteúdo principal

Show de preconceitos na TV aberta

Não fui trabalhar nesta terça-feira e pude acompanhar trechos de alguns dos programas da tarde na TV aberta, e constatar (pelo menos no que vi) como a televisão anda preconceituosa!

O primeiro exemplo não vem de um programa da tarde da terça, mas da noite da segunda. Na volta de uma matéria sobre a 14ª. Parada do Orgulho LGBT no "TV Fama", Nelson Rubens anuncia, para "daqui a pouco", "mais criaturas bizarras da parada gay". Não encontrei nenhum vídeo, mas não fui o único a reparar na "bizarrice" do comentário do fofoqueiro.

Clique para ver o Tweet original em uma nova aba ou janela


Não sei se estava implicando, mas, na terça, vi outros dois exemplos tão feios como o anterior:

- O tema da edição desta semana de "A Liga" (Band) é "Da Favela à Fama". No "Boa Tarde", Silvia Poppovic trouxe Débora Vilalba e Thaíde, que apresentam a atração noturna. Silvia começou a entrevista falando que Thaíde também foi da favela à fama, "mas pelo lado bom" - como se o padrão de fama na favela fosse a fama de Fernandinho Beira-Mar e Marcinho VP: "superstar do Notícias Populares".

Mesmo depois de ver a chamada do programa, a apresentadora insistiu em perguntar se o programa falaria só da fama "no caminho do bem" ou sobre qualquer tipo de fama. Foi a deixa para que eu colocasse o controle remoto para funcionar!

- O "Casos de Família" (SBT) fez um programa especial sobre assassinatos por ciúme. Não consegui ver muita coisa: num debate acalorado, Ronaldo Esper culpava as mulheres vítimas de violência - ou assassinadas, que era o tema do programa - pelas roupas provocantes que usavam. Do outro lado, Zulaiê Cobra dizia que o importante não é a roupa que a mulher usa, mas a atitude que tem. E Christina Rocha concordava. Com esse debate focado em criminalizar as vítimas, acabei desistindo de ver TV.

Só vi porcaria? Sim. Mas, antes que alguém venha com um "desligue a TV e vá ler um livro", é bom lembrar que a televisão aberta deveria se preocupar um pouco mais com os valores que passa, independente do programa ou horário. Afinal de contas, ela é a principal fonte de informação para a maioria dos brasileiros. E sustentar preconceitos não é lá um grande serviço, né?

Posso ter sido meio intolerante, ou mesmo escrever sobre o óbvio. Mas, já que a TV repete preconceitos, não custa nada repetir repúdio.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Relembrando a Líder FM de São Paulo

Em janeiro deste ano, publiquei aqui e no Tele História um post sobre o curto período em que a Líder FM, emissora popular da Grande São Paulo de grande audiência nos anos 90, adotou o slogam "Cheia de Charme" e passou a se dedicar à Black Music. No final do post, pedia para quem tivesse mais informações sobre esse período enviasse comentários, para que todo mundo que lê o blog e a coluna do Tele História - inclusive eu - pudesse resgatar um pouco da história dessa simpática emissora que acabou caindo um pouco no esquecimento.

De lá pra cá, recebi comentários de pessoas relembrando a Líder FM dessa e de outras fases. Alguns são tão bons que me deixaram, já na época, com vontade de escrever um novo post só para que eles ficassem mais "visíveis".

Nesta terça-feira, o Edmauro Novais, que teve participação essencial no primeiro post, enviou imagem da capa de outro CD da rádio na fase Black, retirada de um blog que disponibiliza a playlist e o link para download do CD. Foi…

Um pouco da história da Rádio Tupi AM (SP)

Muita gente reclama da "falta de memória" da TV, não só pelo descaso das emissoras que apagavam seus arquivos sem a menor culpa, mas também pela dificuldade em encontrar informações consistentes e confiáveis sobre a história da televisão. Quem reclama tem razão, mas essa falta de memória nem se compara com a escassez de registros sobre a história do rádio!

Tive que procurar, para um trabalho, a história da Tupi AM de São Paulo, e descobri que não existe nenhum lugar que traga essas informações. Para se ter uma ideia, não consegui encontrar nem o ano em que a Tupi AM de Paulo Abreu foi inaugurada!

Encontrei alguns dados em diversos endereços na Internet - faço questão de deixar os links ao longo do texto - que, aliados ao pouco que lembrava, me ajudaram na montagem do quebra-cabeças da trajetória (ou das trajetórias) da Tupi.

O resultado não ficou tão completo quanto esperava, mas deixo aqui o que encontrei, primeiro por não ter visto essa história resumida em nenhum lugar, e de…

Especial: As vinhetas de abertura e encerramento da programação na TV

Antes da TV paga ou da multiplicação de televendas e telepastores, era padrão as emissoras de TV não permanecerem no ar 24 horas por dia. No máximo, a Globo "virava" as noites de sexta e sábado com o lendário "Corujão"; as demais - incluindo a Globo em outros dias - só funcionavam de madrugada em ocasiões esporádicas e especiais.

Por isso, quase todas se preocupavam em criar vinhetas específicas para a chegada e despedida diárias. E, diferente do que se esperaria de vinhetas exibidas duas vezes por dia nos horários mais periféricos da grade, muitas delas foram marcantes na história das emissoras e são lembradas até hoje.

Preparei uma lista com algumas das mais famosas. Os vídeos são antigos e estão no YouTube há muito tempo, mas são alguns dos meus favoritos - e imagino que não sejam só meus.


GLOBO

Nos primeiros anos de Hans Donner, uma sequência de formas tridimensionais ilustrava a mensagem de encerramento:


Na década de 1980, a mensagem foi substituída pela apresentaç…