Pular para o conteúdo principal

"Quem quer comprar o jornal de ontem com notícias de anteontem?"

Outro dia recebi e-mail reclamando da quantidade de posts sobre os mesmos veículos (dizia que eu só falava aqui do Jornal do Brasil ou de empresas do mesmo grupo). Realmente, nesses últimos dois meses falei da CBM com a notícia da retirada de metade do portfólio da Editora Peixes das bancas e das demissões no JB e GZM, além de ter publicado um texto extenso sobre a curta história da TVJB - tão extenso que foi dividido em duas partes.

Analisando o restante do blog, vi outras empresas que têm presença marcante aqui, como a Oi e a TV Brasil. Reconheço que acompanho mais notícias de alguns veículos que de outros, mas o número de posts sobre a CBM é grande porque existe um número considerável de notícias envolvendo o grupo que são difíceis de não comentar!

Um exemplo é a última novidade do Jornal do Brasil. No último sábado, a holding de Nelson Tanure testou colocar nas bancas uma única edição do periódico carioca para o sábado e domingo, reunindo cadernos dos dois dias.


Nessa época do ano é comum todos os jornais "emagrecerem", até porque é comum uma queda nas vendas - tem muita gente viajando ou preocupada com as festas de fim de ano... as pessoas lêem menos jornal. Qual a solução encontrada pelo departamento comercial da CBM para não perder dinheiro nesse fim de ano? Matar o jornal num dos dias do final de semana e tentar concentrar a venda [reduzida] do sábado e do domingo no preço de R$ 3,50 (o preço normal do domingo - o JB de sábado é vendido a R$ 1,50).

Entenderam a lógica? Quem quiser comprar o jornal no sábado vai pagar os R$ 3,50. Logo, mesmo se as vendas no sábado caírem pela metade, a empresa vai sair no lucro. E quem está acostumado a comprar no domingo vai pagar os mesmos R$ 3,50, mas vai levar um jornal maior, com mais páginas e cadernos. Um estímulo para aumentar as vendas no domingo!

Ótimo, não? Se não fosse pelo detalhe de que, em último lugar, está o conteúdo. O jornal desse fim de semana pode até ter ficado mais "gordo", mas é bem menos atual! Aí eu repito o título, parafraseado de uma música do Barão Vermelho: "Quem quer comprar o jornal de ontem com notícias de anteontem?"

A CBM também quer saber isso, e colocou no ar uma página com pesquisa para medir a aprovação da tal "Edição Especial". Em caso de aprovação, o leitor pode responder se gostaria que o formato continuasse nos próximos fins de semana. E quem não aprovou tem espaço para justificar a resposta.

A pesquisa está no ar no http://jbonline.terra.com.br/fimdesemana

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Relembrando a Líder FM de São Paulo

Em janeiro deste ano, publiquei aqui e no Tele História um post sobre o curto período em que a Líder FM, emissora popular da Grande São Paulo de grande audiência nos anos 90, adotou o slogam "Cheia de Charme" e passou a se dedicar à Black Music. No final do post, pedia para quem tivesse mais informações sobre esse período enviasse comentários, para que todo mundo que lê o blog e a coluna do Tele História - inclusive eu - pudesse resgatar um pouco da história dessa simpática emissora que acabou caindo um pouco no esquecimento.

De lá pra cá, recebi comentários de pessoas relembrando a Líder FM dessa e de outras fases. Alguns são tão bons que me deixaram, já na época, com vontade de escrever um novo post só para que eles ficassem mais "visíveis".

Nesta terça-feira, o Edmauro Novais, que teve participação essencial no primeiro post, enviou imagem da capa de outro CD da rádio na fase Black, retirada de um blog que disponibiliza a playlist e o link para download do CD. Foi…

Um pouco da história da Rádio Tupi AM (SP)

Muita gente reclama da "falta de memória" da TV, não só pelo descaso das emissoras que apagavam seus arquivos sem a menor culpa, mas também pela dificuldade em encontrar informações consistentes e confiáveis sobre a história da televisão. Quem reclama tem razão, mas essa falta de memória nem se compara com a escassez de registros sobre a história do rádio!

Tive que procurar, para um trabalho, a história da Tupi AM de São Paulo, e descobri que não existe nenhum lugar que traga essas informações. Para se ter uma ideia, não consegui encontrar nem o ano em que a Tupi AM de Paulo Abreu foi inaugurada!

Encontrei alguns dados em diversos endereços na Internet - faço questão de deixar os links ao longo do texto - que, aliados ao pouco que lembrava, me ajudaram na montagem do quebra-cabeças da trajetória (ou das trajetórias) da Tupi.

O resultado não ficou tão completo quanto esperava, mas deixo aqui o que encontrei, primeiro por não ter visto essa história resumida em nenhum lugar, e de…

Especial: As vinhetas de abertura e encerramento da programação na TV

Antes da TV paga ou da multiplicação de televendas e telepastores, era padrão as emissoras de TV não permanecerem no ar 24 horas por dia. No máximo, a Globo "virava" as noites de sexta e sábado com o lendário "Corujão"; as demais - incluindo a Globo em outros dias - só funcionavam de madrugada em ocasiões esporádicas e especiais.

Por isso, quase todas se preocupavam em criar vinhetas específicas para a chegada e despedida diárias. E, diferente do que se esperaria de vinhetas exibidas duas vezes por dia nos horários mais periféricos da grade, muitas delas foram marcantes na história das emissoras e são lembradas até hoje.

Preparei uma lista com algumas das mais famosas. Os vídeos são antigos e estão no YouTube há muito tempo, mas são alguns dos meus favoritos - e imagino que não sejam só meus.


GLOBO

Nos primeiros anos de Hans Donner, uma sequência de formas tridimensionais ilustrava a mensagem de encerramento:


Na década de 1980, a mensagem foi substituída pela apresentaç…