Pular para o conteúdo principal

EBC convida público para debater seu projeto

A EBC - Empresa Brasil de Comunicação promove, no próximo dia 02, o "Encontro EBC: Diálogo com a sociedade", um ciclo de debates sobre o projeto da empresa.

O encontro aberto acontecerá em Brasília, mas quem não estiver na capital federal também vai poder participar: foi aberto um espaço virtual, intitulado "Em Construção", para comentários e contribuições.

Acesse o site do encontro e participe. Faça sua inscrição para participar dos debates ou deixe seu comentário.

No vídeo a seguir, a diretora-presidente da EBC, Tereza Cruvinel, fala sobre o evento e convida à participação.


Deixo aqui o comentário que fiz no site. Se você tiver paciência, leia e participe também. Se não tiver paciência para ler, clique aqui e deixe seu comentário.

Todas as opiniões serão lidas? Não sei. Mas sei que as opiniões de quem não participar têm menos chance de ser lidas!

Uma coisa é fato: melhor que criticar a TV pública é contribuir para que ela seja melhor!

A EBC dá um exemplo de democracia abrindo espaço para que o público ajude a construir o Sistema Público de Comunicação.

Se a criação da TV Brasil foi um avanço, a programação da TV também avançou nesses dois anos. O debate aprofundado, os "outros olhares" no jornalismo - que venceu com números o estigma preconceituoso da "chapa branca" -, as diversas manifestações culturais do país, o mergulho na África e América Latina e cada novo programa mostram que a TV pública é plural e preocupada com o conteúdo.

O desafio é tornar a TV Brasil cada vez mais atraente, sem perder o foco na qualidade - um desafio não só da TV Brasil, mas de todas as emissoras públicas. A TV pública não pode ser um canal com bom conteúdo e linguagem ineficaz. Tem que ser divertida, convidativa e com formatos variados.

A música e o cinema brasileiros devem continuar a ser incentivados e ter seus espaços ampliados. Séries sobre assuntos que não são comumente mostrados, como "A TV Que se Faz no Mundo", também devem continuar a ser exibidas, assim como aqueles programas que trazem inovações em seus formatos, como "3 a 1", "De Lá Prá Cá" e "ABZ do Ziraldo". É fugindo do óbvio que a TV pública mostra a que veio!

Ao mesmo tempo em que é bom fugir do óbvio, programas de sucesso devem continuar a ser valorizados. A EBC fez muito bem em manter e melhorar "Sem Censura", "Observatório da Imprensa" e "Conexão Roberto D'Ávila", alguns dos melhores programas da TV aberta, mas sinto falta de alguns assuntos e programas:

Só uma TV pública tem liberdade para falar da televisão, porque só a TV pública pode discutir a proramaçao e história das emissoras comerciais sem o "tabu" de citar a concorrência.

Pouco se fala sobre a televisão na própria televisão. O brasileiro gosta de televisão, mas precisa de um debate menos "burocrático" e mais participativo que o "Ver TV" que, apesar de muito bom, poderia ser voltado mais aos telespectadores do que aos estudiosos de comunicação.

"Por que tanta gente assiste ao Datena?"
"Como as novelas influenciam a vida das pessoas?"
"Quais programas marcaram a história da televisão brasileira?"
"O que diverte as pessoas na TV?"
"Televisão é só diversão?"
"Televisão não é diversão?"
"Música erudita na TV funciona?"
"Por que o CQC dá mais audiência que a Hebe?"
"As pessoas assistem aos programas de televendas?"

Essas são algumas perguntas que o público poderia ajudar a encontrar as respostas. A TV Brasil poderia convidar o cidadão para ser ombudsman não só da TV pública, como também da TV comercial. E não só isso: poderia valorizar a história da televisão e exaltar as boas produções da TV comercial. Acredito que isso criaria uma relação mais próxima com o público que ainda não tem o costume de ver os canais públicos.

Falando em participação do público, não entendo porque a TV Cultura abandonou o formato do "Vox Populi". Por que não fazer um programa de entrevistas onde o público fosse o entrevistador?

Falta dramaturgia na TV Brasil. Não uma dramaturgia didática ou excessivamente experimental. Falta a dramaturgia feita pela TV Cultura na primeira metade da década de 1990, com produções como "Confissões de Adolescente" e "Veja Esta Canção". Dramaturgia com direção competente, bons textos e linguagem acessível.

Também sinto falta de uma grade que conte com alguma divisão de programas por temas ou gêneros. "Paratodos" e "Diverso" são dois exemplos de programas que têm semelhanças entre si, mas são bem diferentes quando comparados. Se os dois fossem exibidos no mesmo horário em dias diferentes, ou em sequência no mesmo dia, teriam essas diferenças mais evidenciadas, ao mesmo tempo em que ficaria mais fácil para os telespectadores encontrá-los na grade da TV Brasil. Da forma como estão, é criada a impressão de que os dois são iguais ou sem formato definido e, consequentemente, de que a programação é repetitiva.

Enfim, espero da TV Brasil uma programação cada vez mais forte e atraente, mantendo o propósito de ser a TV onde o Brasil se vê. Fico feliz em poder opinar e espero contribuir de alguma forma para essa construção contínua do Sistema Público de Comunicação, que não envolve apenas a TV Brasil, e que interessa a todos os brasileiros.

Comentários

  1. Oi, rapaz. Já com o registro nas mãos? Boa essa! Gosto muito da EBC, já estagiei lá. P... escola.

    Não sei se poderei conferir, mas de fato, é uma boa notícia. Parei de ver o canal 2 por aqui, mas dia desses vi que transmitiam docs. da BBC. Ok, que a Record já pega o 60 minutos, mas ...

    Gosto muito do Observatório, sempre (embora tenha parado de ver), o VerTV, o Revista de Cinema, os filmes nacionais antiiigos (hehe), o Roda Viva tb .... Enfim, ver o Ra-ti-bum e demais programações infantis também é muito prazeroso!!!

    Vou ler seu biiiiig texto e ver mais no site...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Relembrando a Líder FM de São Paulo

Em janeiro deste ano, publiquei aqui e no Tele História um post sobre o curto período em que a Líder FM, emissora popular da Grande São Paulo de grande audiência nos anos 90, adotou o slogam "Cheia de Charme" e passou a se dedicar à Black Music. No final do post, pedia para quem tivesse mais informações sobre esse período enviasse comentários, para que todo mundo que lê o blog e a coluna do Tele História - inclusive eu - pudesse resgatar um pouco da história dessa simpática emissora que acabou caindo um pouco no esquecimento.

De lá pra cá, recebi comentários de pessoas relembrando a Líder FM dessa e de outras fases. Alguns são tão bons que me deixaram, já na época, com vontade de escrever um novo post só para que eles ficassem mais "visíveis".

Nesta terça-feira, o Edmauro Novais, que teve participação essencial no primeiro post, enviou imagem da capa de outro CD da rádio na fase Black, retirada de um blog que disponibiliza a playlist e o link para download do CD. Foi…

Um pouco da história da Rádio Tupi AM (SP)

Muita gente reclama da "falta de memória" da TV, não só pelo descaso das emissoras que apagavam seus arquivos sem a menor culpa, mas também pela dificuldade em encontrar informações consistentes e confiáveis sobre a história da televisão. Quem reclama tem razão, mas essa falta de memória nem se compara com a escassez de registros sobre a história do rádio!

Tive que procurar, para um trabalho, a história da Tupi AM de São Paulo, e descobri que não existe nenhum lugar que traga essas informações. Para se ter uma ideia, não consegui encontrar nem o ano em que a Tupi AM de Paulo Abreu foi inaugurada!

Encontrei alguns dados em diversos endereços na Internet - faço questão de deixar os links ao longo do texto - que, aliados ao pouco que lembrava, me ajudaram na montagem do quebra-cabeças da trajetória (ou das trajetórias) da Tupi.

O resultado não ficou tão completo quanto esperava, mas deixo aqui o que encontrei, primeiro por não ter visto essa história resumida em nenhum lugar, e de…

Especial: As vinhetas de abertura e encerramento da programação na TV

Antes da TV paga ou da multiplicação de televendas e telepastores, era padrão as emissoras de TV não permanecerem no ar 24 horas por dia. No máximo, a Globo "virava" as noites de sexta e sábado com o lendário "Corujão"; as demais - incluindo a Globo em outros dias - só funcionavam de madrugada em ocasiões esporádicas e especiais.

Por isso, quase todas se preocupavam em criar vinhetas específicas para a chegada e despedida diárias. E, diferente do que se esperaria de vinhetas exibidas duas vezes por dia nos horários mais periféricos da grade, muitas delas foram marcantes na história das emissoras e são lembradas até hoje.

Preparei uma lista com algumas das mais famosas. Os vídeos são antigos e estão no YouTube há muito tempo, mas são alguns dos meus favoritos - e imagino que não sejam só meus.


GLOBO

Nos primeiros anos de Hans Donner, uma sequência de formas tridimensionais ilustrava a mensagem de encerramento:


Na década de 1980, a mensagem foi substituída pela apresentaç…