Pular para o conteúdo principal

Qual o problema da Oi FM?


Nesta terça (07), foi publicado o resultado da mais recente pesquisa de audiência de rádio do Ibope, com dados sobre as FMs de São Paulo. Uma coisa chama a atenção, mais até do que as primeiras colocadas: a constante presença da Oi FM na última posição.

(Veja o resultado de pesquisas anteriores: Fevereiro a Abril/2011 e Janeiro a Março/2011)

A "estabilidade" da Oi no último lugar só foi quebrada na primeira pesquisa de 2011 por ser a primeira que contava com a Scalla FM, que tinha acabado de voltar ao dial. Mesmo assim, a Scalla FM pulou para a penúltima posição já na pesquisa seguinte, mesmo sem nenhuma divulgação no período.

É comum algumas das rádios mais interessantes não aparecerem entre as mais lembradas no Ibope simplesmente porque são segmentadas. Mas por que justo o último lugar para a Oi? E por que até a Scalla instrumental, que foi dispensada pelo grupo CBS/Mundial no passado, ultrapassa a Oi já na segunda pesquisa em que aparece?

A Oi FM tem vinhetas e chamadas bem produzidas, apresentadores conhecidos, programetes variados e bons programas locais, como o novo "Rádio Café" e "De Carona". Transmitiu ao vivo o show do U2 em São Paulo e é a rádio oficial do São Paulo Fashion Week. Mas é menos lembrada que todas as outras!


Qual o problema, então?


Será a música? E, se for, o que exatamente?

Será que o conceito do "livre" aplicado à programação musical faz com que a Oi FM fique sem posicionamento claro?
Falta música brasileira?
Falta Rock?
Sobra Rock?
A programação é alternativa demais?
Ela exagera nas novidades, que são valorizadas por um público que tem buscado músicas novas mais na Internet que no rádio?

E, se o problema não estiver nas músicas?

Falta locução ao vivo?
Falta participação de ouvintes no ar?
Ainda falta sotaque paulistano na filial paulistana?
O sinal é fraco?


Será que é tudo isso? Ou será que não é nada disso?


Desde que comecei a escrever por aqui, já disse algumas vezes que não acredito na metodologia do Ibope para medir audiência no rádio. Mas, quando uma rádio é sempre a menos citada, alguma coisa deve estar errada!

No Rio de Janeiro, capital que tem a emissora desde 2006, o resultado é parecido: no levantamento mais recente, a Oi FM aparece na frente apenas da MEC FM e da Roquette Pinto.

Pode ser que a Oi esteja mais preocupada com a quantidade de "ADORO" e "ODEIO" que recebe por SMS do que com os números do Ibope. Mas não custa lembrar que, nos últimos dois anos, a rádio deixou o dial das cidades de Uberlândia, Santos, Vitória e Fortaleza - situação que não combina muito com bons resultados.

Diante disso, pergunto:

Você ouve a Oi FM? Se não ouve, por que não? Se ouve, o que será que ela tem - ou o que não tem - que faz com que ela seja tão pouco lembrada na pesquisa do Ibope?

Deixe sua opinião nos comentários.

Comentários

  1. Aqui no Rio, acredito que a Oi FM se dá muito bem na hora do almoço, quando passa o "Rock Bola" (programa que mistura esporte e humor). Eu ouço sempre!

    ResponderExcluir
  2. a oi é uma boa radio, porem o playlist deles é de coisas muito alternativas, o mais "mainstream" que toca é strokes, talvez se eles colocassem mais bandas mainstream tipo pearl jam, linkin park, green day, red hot chili peppers e outros do estilo, e colocassem uma locução e interatividade talvez até conseguissem um bom espaço

    ResponderExcluir
  3. Eu não sei quem está gerindo artisticamente esse projeto da Oi, mas não parece ser um profissional de rádio exatamente, talvez alguma agência de publicidade não é mesmo Anderson? Estou supondo, pois não sei exatamente, até pq, quando algum profissional famoso como o Braga (Mix), Waguinho (89) e etc assume algum projeto, vemos ampla divulgação que eu nunca tomei conhecimento no caso da Oi.

    Se o que estou supondo é verdade, eu particularmente prefiro creditar a isso como a espinha dorsal de tudo. Tudo o que voce elencou como possiveis motivos, parecem ter origem na orientação artística da rádio.

    ResponderExcluir
  4. Se alguém tiver mais informações, poste aqui, pois essa é a minha opinião e espero que, se este for o caso, que coloquem lá um profissional de rádio que resolva a questão e deixe a rádio mais "simpática" digamos assim rs rs


    Edmauro Novais

    ResponderExcluir
  5. Boa tarde Anderson, tudo bem?

    Gostei muito do blog e gostaria de receber o e-mail de contato para sugestões de pauta.

    ana.cristina@planodigital.com.br

    ResponderExcluir
  6. Então, tenho uma experiência curiosa a relatar. A OI FM montou estúdio móvel super bacana e transmitiu durante cerca de duas semanas no campus da FAAP. Sei que por lá há ouvintes da emissora. Mas o "acanhamento" e falta de um corpo a corpo transformaram a presença da emissora em algo quase imperceptível.
    Alguns dias antes fui a uma transmissão da Rádio Bandeirantes. Vi a paixão pelo rádio tanto do público como dos profissionais envolvidos com aquele momento.
    Acho que é o que falta à OI. Eu mesmo não ouço, apesar de achar que tem bons profissionais, programas interessantes etc.
    Rádio é EMOÇÃO. E isto parece passar longe do perfeccionismo e frieza que a OI transmite.

    ResponderExcluir
  7. Do ponto de vista do Marketing a Oi FM comete um erro primário. Aqui em SP a operadora atua com a classe C e a rádio busca o público AB. Aí a operadora espera retorno da rádio em números sendo que a rádio não fala com o público majoritário da Oi. Por isso que as outras rádios sairam do ar.
    Se a OI não mudar a estratégia a rádio não vai durar mais muito tempo mesmo em SP.

    ResponderExcluir
  8. Não consigo ouvir a Oi por muito tempo quando estou dirigindo porque a "salada" musical que ela toca é muito grande. Cansei de mandar torpedos para saber qual o nome da música que tava tocando de manhã no Rádio Café, mas mesmo esse programa é imprevisível. Já ouvi por lá muitas músicas amaravilhosas que não sonharia ouvir em outras rádios, principalmente algumas pérolas do acid jazz, house e r&b. O problema é que em seguida entra um Strokes da vida e corta totalmente o clima. Então, o problema da Oi é esse: ela não sabe aproveitar a diversidade musical de sua programação, segmentando isso em horários ou programas específicos. Se vc gosta de r&b e está vibrando com determinada música do gênero, não espera que em seguida vá tocar o lado b de um Red Hot Chilli Peppers de 1991...é esse o problema da Oi FM.

    ResponderExcluir
  9. O sotaque dos locutores é intragável.
    Uma rádio carioca no dial de SP? Só pode dar nisso: fracasso.

    ResponderExcluir
  10. Em parte do ABC o problema era pirataria.

    Pirataria | Exclusivo: Pirata operava na frequência da Oi FM em São Paulo

    A pirataria no dial FM de São Paulo também gera situações inusitadas. Geralmente as emissoras clandestinas escolhem canais adjacentes à aqueles que estão ocupados por FMs legalizadas, porém a situação constatada em São Bernardo do Campo foge a essa “regra”. O C.I.P.I (Centro de Investigação e Prevenção de Interferências) e demais autoridades competentes localizaram uma FM clandestina que operava em 94.1 FM, mesma frequência da Oi FM 94.1 de São Paulo.

    A emissora clandestina anulava o sinal da Oi FM nas áreas próximas ao Montanhão, bairro onde estava localizada a FM pirata, além de impedir o avanço do sinal da 94.1 FM de São Paulo em áreas populosas de Santo André, Mauá e Ribeirão Pires. O Montanhão fica localizado próximo à Rodovia Anchieta, também anulando o sinal da Oi FM em trechos desta importante via que liga a capital paulista ao litoral do estado. A pirata que operava em 94.1 FM foi localizada e fechada.

    Outro fator que contribuía para as interferências é a altitude do local, que oscila entre 820 a 890 metros de altitude, bem acima da média topográfica das sedes dos municípios de São Bernardo do Campo, Santo André, Mauá e Ribeirão Pires. Também era possível captar a FM clandestina em vez da Oi FM no Rodoanel Mário Covas, entre a Anchieta até a ligação com a região de Mauá. Já na região central de São Bernardo do Campo já prevalecia o sinal da Oi FM.
    Fonte: http://www.tudoradio.com/noticias.php?noticia=5734

    ResponderExcluir
  11. Rádio carioca o escambau. A Oi FM foi criada em Belo Horizonte. É uma rádio do grupo Bel (a razão social é Rádio Bel) arrendada pela Oi, que depois arrendou a Rádio Cidade do Rio de Janeiro e a 94,1 paulistana. Só que a rádio costuma colocar equipes locais para fazerem seus programas e ainda põe algumas exclusividades locais, como a edição diária do Rock Bola, que só vai ao ar no Rio e foi herdado exatamente da Rádio Cidade. No caso específico de São Paulo, nunca que a Oi FM teria um bom desempenho, dependendo apenas da marca Oi. Porque a Oi de São Paulo simplesmente começou do zero, primeiro como operadora de celular e só depois entrando nos mercados de telefonia fixa e Internet. Diferente do Rio, em que a Oi é a ex-Telemar, que comprou a extinta Telerj, outrora a única operadora de telefonia fixa. E mesmo assim a Oi FM leva uma surra no Ibope carioca. Só fica à frente das rádios estatais.

    ResponderExcluir
  12. Eu morava em fortaleza antes da Oi FM de lá fechar. era uma radio otima porque recebia a programacao gerada da Oi Fm Belo Horizonte (cabeca de rede). Muito legal mesmo! Desde o comeco do ano eu me mudei pra São Paulo e desde entao tenho escutado a Oi FM Sao Paulo, que é totalmente diferente da Oi FM BH! As musicas sao bestas e repetitivas! Eu abusei da radio porque so toca as mesmas musicas sempre. ja reclamei e nao adianta de nada. A Oi FM São Paulo é diferente das outras emissoras da Oi FM. As musicas sao chatas. Eu, ha alguns dias, parei de escutar porque ABUSEIIIIIIIIII!. q saudade da oi fm fortaleza!e lá em fortaleza tinha baixissima audiencia porque a potencia do sinal tambem era baixissima. eu nao conseguia sintonizar a radio dentro de casa, so podia escutar se fosse por celular( que é movel, podendo escolher a melhor localizacao)

    ResponderExcluir
  13. Eu escuto, mas só alguns programas como Rádio Café, Rock Bola (sou do rio) e Ronca Ronca.

    ResponderExcluir
  14. Eu simpatizo afú com a Marca da Oi, mas simplismente não lembro de ouvir ela. Muitas vezes não lembro qual a estação que é também. Eu sou de Porto Alegre e aqui desde criança ouços sempres as mesmas 6 rádios (aquelas que tu gravava sempre na memória do walkman, hehehehehe). Então, acho que a Oi podia fazer umas ações que fizessem a gente aderir ela no nosso cotidiano. Lembro duma rádio que 1 vez por semana as pessoas podiam ir assistir um show q ia rolar ao vivo na rádio.. (ó, fica uma dica ;) )

    ResponderExcluir
  15. Concordo com o Silvio aí em baixo. tem q aproveitar os diferentes estilos separados em programas específicos, assim, quem gosta de jazz ouve só jazz, quem gosta de rock ouve só rock. Eu mesmo já mudei da estacão varias vezes pq depois q tocou uma musica q eu adorava, tocou uma q simplismente eu não queria ouvir

    ResponderExcluir
  16. brasileiro só gosta de ouvir sempre as mesmas coisas! Olha as radios q estão nas primeiras colocações das pesquisas de audiencia do ibope nas principais cidades do país! As radios q tocam sertanejo, pagode, axé, essas músicas populares, são as q estão na liderança. É só isso q o povo prefere escutar. Olha tbm as rádios jovens, só mudam de nome mas são todas iguais e tocam as mesmas músicas o dia inteiro. Eu não sei como as pessoas conseguem ouvir o mesmo som sempre, é incrivel! A mesmice é o carro chefe! Aí qdo surge uma rádio como a OI FM ñ tem audiencia por isso. Eu ouço mto a OI FM e adoro esta rádio! toca mta música boa, variedade, uns sons q só se ouve nela,mtos lançamentos, q se ouve nas outras emissoras mto tempo depois ou as vezes nem chega nas outras. É uma pena q a OI FM acabe! O pequeno público de rádio alternativa ficará sem mais uma opção. Aí entra no lugar dela alguma evangélica, polular, sertanojo, cagode ou adulto. Só da isso mesmo, fazer o q né? infelismente :(

    ResponderExcluir
  17. A rádio não tem que separar estilos. A idéia é misturá-los, fazendo uma mistura, uma diversidade. O povo tá muito mau acostumado com segmentação. E deixem a Oi FM existir sem Linkin Park e outras baixarias já presentes na programação da pérfida Mix FM.

    ResponderExcluir
  18. Eu ouço a Oi FM justamente pela diversidade dela. Tomara q não acabe.

    ResponderExcluir
  19. Gosto muito da OI FM SP, ouço quase que diariamente e sinto muito em saber que corre o risco de acabar, o problema é que uma mídia preocupada unica e exclusivamente com lucros, pratica uma lavagem cerebral em massa e infelizmente essa porra de massa abraça as idéias e o resultado das pesquisas de liderança de audiência não pode ser outro senão as radios que tocam: axé, pagode e afins, sertanejo, funk, bom, tudo que não toca na OI FM, galera...é revoltante!

    ResponderExcluir
  20. Oi (operadora) é sinônimo de incompetência e aporrinhação. Tudo que vem da Oi é abominável, nada funciona direito, o atendimento é péssimo. A Oi FM era a UNICA coisa boa, eu QUANDO LEMBRAVA gostava de ouvir. Mas não posso dizer que era ouvinte. Pois eu NÃO LEMBRAVA de ouvir. Eu menosprezo essa marca(Oi)e acho que isso inconscientemente se refletia na rádio. A OI É A EMPRESA MAIS BAGUNÇADA DO BRASIL.

    ResponderExcluir
  21. Sou de BH e particularmente a OI Fm é a única rádio que escuto. Na minha opnião tem uma programação muito variada e muito alto astral. O que realmente irrita e muito é o fato de ser tão difícil saber os nomes das musicas e das banda. Acho que a rádio quer atingir um público que gosta e entende de música mas dificulta a interação do público em geral.

    ResponderExcluir
  22. Fiquei triste e profundamente abalado em saber que a Oi FM de BH, que inclusive exportou o formato pra RJ SP RS e PE, só vai durar aqui até o fim deste mês. Infelizmente, enquanto o nível do brasileiro médio for este, as rádios em geral são sinônimo de lixo, e o que é bom e de qualidade será fadado ao fracasso.

    ResponderExcluir
  23. A Oi Fm era uma opção para aqueles que curtem o som alternativo, pois não faltam rádios que tocam axé, brega, forró, sertanejo, funk e pop descartável. Era para ser apenas um pequeno ajuste e não a extinção completa da rádio. Isso é reflexo do gosto brasileiro com seu falso ecletismo. viva a OI FM!

    Márcio Andrade

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Relembrando a Líder FM de São Paulo

Em janeiro deste ano, publiquei aqui e no Tele História um post sobre o curto período em que a Líder FM, emissora popular da Grande São Paulo de grande audiência nos anos 90, adotou o slogam "Cheia de Charme" e passou a se dedicar à Black Music. No final do post, pedia para quem tivesse mais informações sobre esse período enviasse comentários, para que todo mundo que lê o blog e a coluna do Tele História - inclusive eu - pudesse resgatar um pouco da história dessa simpática emissora que acabou caindo um pouco no esquecimento.

De lá pra cá, recebi comentários de pessoas relembrando a Líder FM dessa e de outras fases. Alguns são tão bons que me deixaram, já na época, com vontade de escrever um novo post só para que eles ficassem mais "visíveis".

Nesta terça-feira, o Edmauro Novais, que teve participação essencial no primeiro post, enviou imagem da capa de outro CD da rádio na fase Black, retirada de um blog que disponibiliza a playlist e o link para download do CD. Foi…

Um pouco da história da Rádio Tupi AM (SP)

Muita gente reclama da "falta de memória" da TV, não só pelo descaso das emissoras que apagavam seus arquivos sem a menor culpa, mas também pela dificuldade em encontrar informações consistentes e confiáveis sobre a história da televisão. Quem reclama tem razão, mas essa falta de memória nem se compara com a escassez de registros sobre a história do rádio!

Tive que procurar, para um trabalho, a história da Tupi AM de São Paulo, e descobri que não existe nenhum lugar que traga essas informações. Para se ter uma ideia, não consegui encontrar nem o ano em que a Tupi AM de Paulo Abreu foi inaugurada!

Encontrei alguns dados em diversos endereços na Internet - faço questão de deixar os links ao longo do texto - que, aliados ao pouco que lembrava, me ajudaram na montagem do quebra-cabeças da trajetória (ou das trajetórias) da Tupi.

O resultado não ficou tão completo quanto esperava, mas deixo aqui o que encontrei, primeiro por não ter visto essa história resumida em nenhum lugar, e de…

Especial: As vinhetas de abertura e encerramento da programação na TV

Antes da TV paga ou da multiplicação de televendas e telepastores, era padrão as emissoras de TV não permanecerem no ar 24 horas por dia. No máximo, a Globo "virava" as noites de sexta e sábado com o lendário "Corujão"; as demais - incluindo a Globo em outros dias - só funcionavam de madrugada em ocasiões esporádicas e especiais.

Por isso, quase todas se preocupavam em criar vinhetas específicas para a chegada e despedida diárias. E, diferente do que se esperaria de vinhetas exibidas duas vezes por dia nos horários mais periféricos da grade, muitas delas foram marcantes na história das emissoras e são lembradas até hoje.

Preparei uma lista com algumas das mais famosas. Os vídeos são antigos e estão no YouTube há muito tempo, mas são alguns dos meus favoritos - e imagino que não sejam só meus.


GLOBO

Nos primeiros anos de Hans Donner, uma sequência de formas tridimensionais ilustrava a mensagem de encerramento:


Na década de 1980, a mensagem foi substituída pela apresentaç…