Pular para o conteúdo principal

Voz do Brasil flex (só pra quem pode)

Era uma vez uma rádio FM na cidade de São Paulo chamada Atual. Na verdade, não só Atual: já foi Atual, Apollo, 94, e já esteve 24 horas por dia com a programação do missionário David Miranda. Mas todas essas fases tiveram uma coisa em comum: de segunda à sexta, às 19h, era transmitida "A Voz do Brasil", religiosamente. Num belo dia, a rádio Atual deu lugar à Oi FM e a partir daí (desde o primeiro dia) nunca mais se ouviu "A Voz do Brasil" às 19h na frequência. Fim.

Era uma vez a Brasil 2000, outra FM paulistana que chegou a não transmitir o noticiário da então Radiobrás às 19h, mas que, coincidentemente, voltou a exibi-lo durante seu período de "vacas magras" (ou abandono, mesmo). Num belo dia, a emissora virou uma espécie de afiliada da Eldorado ESPN e, já no primeiro dia, não se ouviu "A Voz do Brasil" às 19h. Fim.

Era uma vez um sociólogo, jornalista e professor chamado Laurindo Leal Filho, ou Lalo Leal (ouvidor geral da EBC) que, certo dia, escreveu um artigo contrário à flexibilização da Voz do Brasil. No texto, Lalo dizia que a transmissão simultânea era uma forma de termos "notícias despoluídas de interesses comerciais, oferecidas a um só tempo a todo povo brasileiro", que o programa era um "importante instrumento de pedagogia política" porque informava e aproximava o ouvinte dos poderes públicos. Esclareceu que as notícias não chegam intactas ao conhecimento dos cidadãos através da mídia comercial e lembrou que mesmo num período de censura, como no regime militar, o noticiário oficial do governo era mais independente que os noticiários das emissoras comerciais, porque nas rádios particulares somavam-se os interesses político-empresariais às imposições policiais. Fim.

Moral da história: se "A Voz do Brasil" fosse tão indispensável, não seria tão fácil flexibilizar seu horário!

Falando nisso, é tão fácil assim conseguir liminar para essa flexibilização ou é o poder econômico das empresas que define quem transmite ou não o programa às 19h?

Não sou totalmente contrário ao que Lalo Leal escreveu. Apesar de achar que o texto confunde divulgação oficial com jornalismo público, concordo que as notícias da mídia privada obedecem aos interesses de seus proprietários ou, no mínimo, passam por esse "filtro" de audiência ou faturamento. Sobre a divulgação oficial feita pela Voz, ela é um instrumento importante para que o cidadão tenha mais base para cobrar seus direitos. E digo mais: até ouço alguma coisa da Voz do Brasil - o noticiário do poder executivo está com uma plástica mais atraente, chega a lembrar a programação das emissoras all news comerciais.

Mesmo assim, não faz sentido defender a obrigatoriedade do programa se praticamente todas as emissoras mais ouvidas o transmitirem às duas ou quatro da manhã, isso quando transmitem! Quem acredita na ilusão de que a maioria das pessoas vai ouvir "A Voz do Brasil" em seu horário tradicional tendo quase todas as rádios com programação normal?

Divulgação do governo é um serviço, mas não faz sentido defendê-la no mesmo formato criado por Getúlio Vargas na década de 30!

Espero que quando a TV digital "pegar", e todo mundo tiver acesso gratuito a TV Senado, Câmara e NBR, alguém caia na real e entenda que "A Voz do Brasil", do jeito que está, quase não tem utilidade. E que esses canais suprem, com vantagens, a função que Vargas pensou para o noticiário radiofônico.

SAIBA MAIS
Leia o artigo de Laurindo Leal Filho sobre a Voz do Brasil

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Relembrando a Líder FM de São Paulo

Em janeiro deste ano, publiquei aqui e no Tele História um post sobre o curto período em que a Líder FM, emissora popular da Grande São Paulo de grande audiência nos anos 90, adotou o slogam "Cheia de Charme" e passou a se dedicar à Black Music. No final do post, pedia para quem tivesse mais informações sobre esse período enviasse comentários, para que todo mundo que lê o blog e a coluna do Tele História - inclusive eu - pudesse resgatar um pouco da história dessa simpática emissora que acabou caindo um pouco no esquecimento.

De lá pra cá, recebi comentários de pessoas relembrando a Líder FM dessa e de outras fases. Alguns são tão bons que me deixaram, já na época, com vontade de escrever um novo post só para que eles ficassem mais "visíveis".

Nesta terça-feira, o Edmauro Novais, que teve participação essencial no primeiro post, enviou imagem da capa de outro CD da rádio na fase Black, retirada de um blog que disponibiliza a playlist e o link para download do CD. Foi…

Um pouco da história da Rádio Tupi AM (SP)

Muita gente reclama da "falta de memória" da TV, não só pelo descaso das emissoras que apagavam seus arquivos sem a menor culpa, mas também pela dificuldade em encontrar informações consistentes e confiáveis sobre a história da televisão. Quem reclama tem razão, mas essa falta de memória nem se compara com a escassez de registros sobre a história do rádio!

Tive que procurar, para um trabalho, a história da Tupi AM de São Paulo, e descobri que não existe nenhum lugar que traga essas informações. Para se ter uma ideia, não consegui encontrar nem o ano em que a Tupi AM de Paulo Abreu foi inaugurada!

Encontrei alguns dados em diversos endereços na Internet - faço questão de deixar os links ao longo do texto - que, aliados ao pouco que lembrava, me ajudaram na montagem do quebra-cabeças da trajetória (ou das trajetórias) da Tupi.

O resultado não ficou tão completo quanto esperava, mas deixo aqui o que encontrei, primeiro por não ter visto essa história resumida em nenhum lugar, e de…

Especial: As vinhetas de abertura e encerramento da programação na TV

Antes da TV paga ou da multiplicação de televendas e telepastores, era padrão as emissoras de TV não permanecerem no ar 24 horas por dia. No máximo, a Globo "virava" as noites de sexta e sábado com o lendário "Corujão"; as demais - incluindo a Globo em outros dias - só funcionavam de madrugada em ocasiões esporádicas e especiais.

Por isso, quase todas se preocupavam em criar vinhetas específicas para a chegada e despedida diárias. E, diferente do que se esperaria de vinhetas exibidas duas vezes por dia nos horários mais periféricos da grade, muitas delas foram marcantes na história das emissoras e são lembradas até hoje.

Preparei uma lista com algumas das mais famosas. Os vídeos são antigos e estão no YouTube há muito tempo, mas são alguns dos meus favoritos - e imagino que não sejam só meus.


GLOBO

Nos primeiros anos de Hans Donner, uma sequência de formas tridimensionais ilustrava a mensagem de encerramento:


Na década de 1980, a mensagem foi substituída pela apresentaç…