Pular para o conteúdo principal

O rádio digital parou. Faz diferença?

Muito foi falado nos últimos dias sobre o fim do apoio do ministro das Comunicações ao padrão de rádio digital norte-americano (o Iboc), depois de três anos de "defesa". De acordo com reportagem de Ethevaldo Siqueira no Estadão de 28/12/08, o ministro Hélio Costa (foto) reconheceu "o que todos os técnicos independentes vinham afirmando desde 2006: em todo o mundo, a tecnologia de rádio digital ainda tem muitos problemas que não permitem sua adoção no Brasil".

O artigo chegou a elogiar a atitude do ministro, dizendo que "seria muito pior se o País adotasse o padrão Iboc", pois as 5000 emissoras de rádio brasileiras "seriam levadas a investir numa tecnologia que ainda funciona precariamente", e apontou algumas deficiências do sistema, que utiliza o mesmo canal tanto para a transmissão analógica quanto para a digital: "Nas transmissões em AM e FM, o padrão Iboc apresenta, entre outros, o problema do atraso (delay) de 8 segundos do sinal digital, em relação ao analógico. Como o alcance do sinal digital é menor do que o analógico, nos limites de sua propagação, a sintonia oscila entre um e outro, com grande desconforto para o ouvinte". Além disso, o consumo de energia é tão alto que praticamente inviabiliza o uso de receptores portáteis.

Pelo que parece, o Iboc não deu certo nem nos Estados Unidos, onde foi implantado há menos de cinco anos. Segundo o Wall Street Journal, menos de 10% das emissoras norte-americanas aderiram ao sistema, e apenas 0,15% da população possui o receptor para rádio digital. Por aqui, parece que o projeto de rádio digital vai ficar parado por tempo indeterminado, depois de um período não muito produtivo.

TEM QUE SER RÁDIO DIGITAL?
Chiados, oscilações de sinal ou o alto consumo de energia são problemas do rádio digital que só conheço de "ouvir falar". Nunca ouvi uma transmissão digital e confesso que nem fiz muita questão de ouvir, até porque acho essa discussão meio limitada. A digitalização do rádio é tão "insubstituível" quanto a digitalização da televisão? Tirando a gratuidade, qual a grande vantagem que o rádio digital vai trazer (e, principalmente, qual a grande vantagem que o padrão Iboc TROUXE) que outra tecnologia não traria?

Quando ouvi falar em rádio digital pela primeira vez, a novidade anunciada era o FM com som de CD (acho que 128kbps) e o AM com som de FM (68kbps ou 96kbps), sem oscilações. Uma maravilha, principalmente para o AM! Com o tempo, as discussões sobre o tema e os testes de algumas emissoras levaram ao consenso de que o sistema adotado no Brasil era caro - a ponto de ser inviável sua implantação em emissoras pequenas - e cheio de falhas.

O AM precisa de uma nova tecnologia para garantir a sua sobrevivência no futuro. Isso também é um consenso. Mas, repito: rádio digital é a única alternativa?

A INTERNET MÓVEL EM ALTA VELOCIDADE...
Enquanto a discussão sobre implantação do rádio digital estava "emperrada", ninguém atentou para outro fenômeno pode surgir em breve, mudando a forma de se ouvir rádio: a popularização do acesso rápido à Internet nos celulares. No início de setembro do ano passado, uma nota do Radioman dizia que "engenheiros e técnicos estão tentando achar uma maneira pra colocar o streaming das suas rádios nos celulares", mas a solução pode já ter aparecido: as rádios vão poder ser ouvidas online nos celulares com 3G.

A terceira geração de telefonia móvel proporciona a transmissão de dados com maior velocidade. "Enquanto com a tecnologia de segunda geração de telefonia móvel (2G) o tempo para baixar uma música pode chegar a 18 minutos, com a 3G é de cerca de um minuto", de acordo com matéria do O Globo Online sobre a tecnologia, publicada em 18/12/2007. A matéria antecipava que "em breve, haverá IPTV, jogos multiplayer em tempo real e outros serviços que demandam maiores velocidades".

Na sexta-feira passada, Marco Aurélio Zanni falou, em seção da Info Online, sobre o lançamento de um rádio online para carros, da Blaupunkt, utilizando a conexão 3G do celular, via Bluetooth. O texto foi reproduzido pela Magaly Prado e um leitor indicou o link com outro lançamento da Sanyo na mesma linha. Ou seja, a coisa está andando!

Modelos de receptores de rádio online da Blaupunkt e da Sanyo

...COMO OPÇÃO, EM BREVE
O acesso à tecnologia 3G ainda é caro, em virtude dos custos para implantação de infra-estrutura para as redes e da baixa demanda inicial, comum para qualquer novo produto ou nova tecnologia. Mas o tempo que os novos produtos levam para ser adotados em grande escala tem diminuído cada vez mais! Quer um exemplo? É só comparar o tempo que o telefone celular levou para se tornar um produto de massa com o tempo que os celulares com câmera levaram para se popularizar - ou fazer a mesma comparação entre o DVD e o vídeo cassete, para ninguém culpar a antiga telefonia estatal pela demora da popularização do celular.

No começo da Internet o acesso discado era oferecido em planos limitados por tempo. A Internet no celular ainda é oferecida assim - seja ela de alta ou baixa velocidade -, mas a tendência é que isso acabe! Quando o iPhone e os aparelhos como Pocket PCs e Smartphones (equipados com Windows Mobile) deixarem de ser novidade, é bem provável que as operadoras comecem a oferecer planos de dados com acesso ilimitado por uma mensalidade "pagável" - ou, com um pouco mais de boa vontade, incluído num pacote básico de serviços que "todo mundo" tenha.

Isso não parece estar tão longe. Até pouco tempo atrás, era raro ver alguém com "telefone" desses. Hoje, empresas como Samsung, LG e Motorola já têm aparelhos equipados com a versão móvel do sistema operacional mais popular do mundo, e a preços mais acessíveis que o concorrente da Apple. E vem aí o 4G e o WiMAX!

Os Smartphones, antes raros, têm modelos fabricados pelas marcas mais populares do mercado

Quando essas tecnologias se popularizarem, pode haver uma "revolução" no acesso ao rádio, que vai colocar não só o AM e FM no mesmo patamar, como também tornar emissoras de outras regiões e as webrádios tão acessíveis quanto as rádios que ouvimos hoje nos receptores "normais".

A única coisa a se lamentar é que a tecnologia mais eficaz esteja a serviço do lucro de um grupo restrito de empresas, que vai oferecer o que o rádio digital prometia mediante pagamento, enquanto o projeto gratuito vai permanecer no limbo.

Ou alguém duvida que 3G, 4G ou WiMAX possam chegar bem antes do rádio digital?


Colaborou Raphael Silvestre Molesim, analista programador da InfoSERVER.

Comentários

  1. A tendência da tecnologia é evoluir e ela evolui cada vez mais rápido, mas não sei se dá pra substituir o rádio aberto com isso.

    Vc acha que as empresas de telefonia teriam essa boa vontade toda de incluir plano de dados num negócio que todo mundo tenha? E o que todo mundo tem que não é de graça?

    Abs,
    Ricardo Gomes

    ResponderExcluir
  2. Ricardo,

    Concordo que a popularização da Internet rápida no celular não deve substituir um projeto de rádio digital aberto... por mais popularizado que seja, grátis é grátis!

    Sobre as operadoras de telefonia móvel, uma boa vontade poderia ajudar a disseminar a nova tecnologia. Não é algo impossível!

    Por exemplo: pra quem tem celular pré-pago, uma promoção do tipo "faça uma recarga mensal no seu celular e garanta um mês de acesso à Internet ilimitado" é uma coisa razoável quando os smartphones se popularizarem até pra estimular a venda dos aparelhos (se o acesso for caro é bem provável que poucas pessoas se interessem por eles - eu mesmo não me interesso)! Da mesma forma pro pós-pago... todo mundo tem planos de minutos com custo "fixo". Daria muito bem pra incluir o acesso ilimitado em qualquer plano de minutos - e mais: fazer isso antes da promoção do pré-pago, pra estimular as pessoas a migrarem para o celular com conta.

    Lógico que isso depende mesmo de BOA VONTADE (ou visão de longo prazo), coisa que é difícil na mentalidade das empresas... mas, num momento em que as tecnologias deixarem de ser novidade, não duvido que algo assim aconteça!

    ResponderExcluir
  3. complementando...

    O que quero dizer com esse post é que há outras formas de melhorar a recepção de rádio que estão sendo prarticamente ignoradas. Em vez de implantar às pressas um padrão de rádio digital precário, por que não estimilar o desenvolvimento do que está mais "fácil", pelo menos enquanto se trabalha com mais calma no rádio digital gratuito?

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Relembrando a Líder FM de São Paulo

Em janeiro deste ano, publiquei aqui e no Tele História um post sobre o curto período em que a Líder FM, emissora popular da Grande São Paulo de grande audiência nos anos 90, adotou o slogam "Cheia de Charme" e passou a se dedicar à Black Music. No final do post, pedia para quem tivesse mais informações sobre esse período enviasse comentários, para que todo mundo que lê o blog e a coluna do Tele História - inclusive eu - pudesse resgatar um pouco da história dessa simpática emissora que acabou caindo um pouco no esquecimento.

De lá pra cá, recebi comentários de pessoas relembrando a Líder FM dessa e de outras fases. Alguns são tão bons que me deixaram, já na época, com vontade de escrever um novo post só para que eles ficassem mais "visíveis".

Nesta terça-feira, o Edmauro Novais, que teve participação essencial no primeiro post, enviou imagem da capa de outro CD da rádio na fase Black, retirada de um blog que disponibiliza a playlist e o link para download do CD. Foi…

Um pouco da história da Rádio Tupi AM (SP)

Muita gente reclama da "falta de memória" da TV, não só pelo descaso das emissoras que apagavam seus arquivos sem a menor culpa, mas também pela dificuldade em encontrar informações consistentes e confiáveis sobre a história da televisão. Quem reclama tem razão, mas essa falta de memória nem se compara com a escassez de registros sobre a história do rádio!

Tive que procurar, para um trabalho, a história da Tupi AM de São Paulo, e descobri que não existe nenhum lugar que traga essas informações. Para se ter uma ideia, não consegui encontrar nem o ano em que a Tupi AM de Paulo Abreu foi inaugurada!

Encontrei alguns dados em diversos endereços na Internet - faço questão de deixar os links ao longo do texto - que, aliados ao pouco que lembrava, me ajudaram na montagem do quebra-cabeças da trajetória (ou das trajetórias) da Tupi.

O resultado não ficou tão completo quanto esperava, mas deixo aqui o que encontrei, primeiro por não ter visto essa história resumida em nenhum lugar, e de…

Especial: As vinhetas de abertura e encerramento da programação na TV

Antes da TV paga ou da multiplicação de televendas e telepastores, era padrão as emissoras de TV não permanecerem no ar 24 horas por dia. No máximo, a Globo "virava" as noites de sexta e sábado com o lendário "Corujão"; as demais - incluindo a Globo em outros dias - só funcionavam de madrugada em ocasiões esporádicas e especiais.

Por isso, quase todas se preocupavam em criar vinhetas específicas para a chegada e despedida diárias. E, diferente do que se esperaria de vinhetas exibidas duas vezes por dia nos horários mais periféricos da grade, muitas delas foram marcantes na história das emissoras e são lembradas até hoje.

Preparei uma lista com algumas das mais famosas. Os vídeos são antigos e estão no YouTube há muito tempo, mas são alguns dos meus favoritos - e imagino que não sejam só meus.


GLOBO

Nos primeiros anos de Hans Donner, uma sequência de formas tridimensionais ilustrava a mensagem de encerramento:


Na década de 1980, a mensagem foi substituída pela apresentaç…