Pular para o conteúdo principal

Rede de jornais Bom Dia lança modelo de afiliações

A primeira novidade, para mim, foi saber que a rede de jornais Bom Dia pertencia ao empresário J. Hawilla (foto), dono da Traffic Sports e da TV TEM (afiliada da Rede Globo). A Traffic é uma empresa de marketing esportivo que detem os direitos de transmissão, patrocínio e promoção de vários campeonatos de futebol, e que teve seu nome bastante conhecido durante o período em que foi responsável pelo departamento de esportes da Band (entre 1999 e 2001). Na época, as transmissões esportivas do canal tinham a inscrição "Band Traffic" no canto da tela.

Mas esse nem é o foco do post. A novidade é que sua rede de jornais, que circula em algumas cidades do interior de São Paulo desde 2005, passou a adotar o modelo de afiliações, como nas redes de rádio e TV.

Uma matéria do Jornalistas & Cia. sobre o assunto (reproduzida no Comunique-se) explica o sistema: "o título se afilia à rede, adotando o nome Bom Dia, seguido da denominação da cidade onde passará a circular, adota a mesma diagramação e projeto gráfico e usa o noticiário geral produzido pela Central de Edição Compartilhada, ao qual agrega o noticiário local, que continua sob sua inteira responsabilidade".


O primeiro jornal a adotar o sistema é a Folha de Fernandópolis, que passa a se chamar Bom Dia Fernandópolis, integrando a rede que já atua nas cidades de Bauru, Jundiaí, São José do Rio Preto e Sorocaba. De acordo com o Meio&Mensagem, o jornal pretende "angariar 20 novos jornais nos próximos dois anos, não só de São Paulo".

Isso me faz pensar no sem graça Diário de São Paulo. Outro dia lembrei que ele existia vendo uma propaganda na Globo! Não sei se é cisma minha, mas não vejo esse jornal como algo que tenha "pegado". O antigo Diário Popular parecia bem mais forte!

Não consegui encontrar nenhuma informação que pudesse confirmar ou desmentir o que estou dizendo - no máximo vi que sua tiragem não está entre os dez maiores do Brasil e que a mudança de nome foi "baseada estritamente em pesquisas" -, mas fiquei pensando no porque da Globo ter investido nesse título em vez de fazer uma edição paulistana de O Globo - talvez seja simplesmente porque viu que o mercado de São Paulo já estava saturado de jornais grandes, por conta da Folha e do Estadão, e tudo que estou escrevendo aqui não faz o menor sentido! De qualquer forma, um O Globo paulistano "engordado" por material nacional produzido no Rio de Janeiro sairia mais barato para a Globo, que poderia repassar a economia para os leitores, o que provavelmente aumentaria sua competitividade em relação à Folha e ao Estado. Mas vai ver o projeto deles era de fazer um jornal meio-termo, mesmo, que ficasse entre os grandes e os populares.

O fato é que nunca entendi porque um jornal de marca forte não pudesse ser levado para outras cidades da forma como J. Havilla está começando a fazer com o seu Bom Dia.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Relembrando a Líder FM de São Paulo

Em janeiro deste ano, publiquei aqui e no Tele História um post sobre o curto período em que a Líder FM, emissora popular da Grande São Paulo de grande audiência nos anos 90, adotou o slogam "Cheia de Charme" e passou a se dedicar à Black Music. No final do post, pedia para quem tivesse mais informações sobre esse período enviasse comentários, para que todo mundo que lê o blog e a coluna do Tele História - inclusive eu - pudesse resgatar um pouco da história dessa simpática emissora que acabou caindo um pouco no esquecimento.

De lá pra cá, recebi comentários de pessoas relembrando a Líder FM dessa e de outras fases. Alguns são tão bons que me deixaram, já na época, com vontade de escrever um novo post só para que eles ficassem mais "visíveis".

Nesta terça-feira, o Edmauro Novais, que teve participação essencial no primeiro post, enviou imagem da capa de outro CD da rádio na fase Black, retirada de um blog que disponibiliza a playlist e o link para download do CD. Foi…

Um pouco da história da Rádio Tupi AM (SP)

Muita gente reclama da "falta de memória" da TV, não só pelo descaso das emissoras que apagavam seus arquivos sem a menor culpa, mas também pela dificuldade em encontrar informações consistentes e confiáveis sobre a história da televisão. Quem reclama tem razão, mas essa falta de memória nem se compara com a escassez de registros sobre a história do rádio!

Tive que procurar, para um trabalho, a história da Tupi AM de São Paulo, e descobri que não existe nenhum lugar que traga essas informações. Para se ter uma ideia, não consegui encontrar nem o ano em que a Tupi AM de Paulo Abreu foi inaugurada!

Encontrei alguns dados em diversos endereços na Internet - faço questão de deixar os links ao longo do texto - que, aliados ao pouco que lembrava, me ajudaram na montagem do quebra-cabeças da trajetória (ou das trajetórias) da Tupi.

O resultado não ficou tão completo quanto esperava, mas deixo aqui o que encontrei, primeiro por não ter visto essa história resumida em nenhum lugar, e de…

Especial: As vinhetas de abertura e encerramento da programação na TV

Antes da TV paga ou da multiplicação de televendas e telepastores, era padrão as emissoras de TV não permanecerem no ar 24 horas por dia. No máximo, a Globo "virava" as noites de sexta e sábado com o lendário "Corujão"; as demais - incluindo a Globo em outros dias - só funcionavam de madrugada em ocasiões esporádicas e especiais.

Por isso, quase todas se preocupavam em criar vinhetas específicas para a chegada e despedida diárias. E, diferente do que se esperaria de vinhetas exibidas duas vezes por dia nos horários mais periféricos da grade, muitas delas foram marcantes na história das emissoras e são lembradas até hoje.

Preparei uma lista com algumas das mais famosas. Os vídeos são antigos e estão no YouTube há muito tempo, mas são alguns dos meus favoritos - e imagino que não sejam só meus.


GLOBO

Nos primeiros anos de Hans Donner, uma sequência de formas tridimensionais ilustrava a mensagem de encerramento:


Na década de 1980, a mensagem foi substituída pela apresentaç…