Pular para o conteúdo principal

Folha publica vários erros em panorama do dial FM paulistano

A revista sãopaulo distribuída na edição do último domingo (04) da Folha trouxe uma matéria falando sobre as mudanças no dial paulistano ocasionadas pela saída das rádios Oi e Mit FM. Além de discutir o futuro das rádios customizadas e também das "convencionais", a reportagem apresentou um infográfico com todas as emissoras do dial FM da cidade e um breve resumo histórico de cada uma.

O Micael Silva enviou o link da matéria digitalizada, que reproduzo aqui:


Ver no imgur: Páginas 16/17 e Página 18 (alta resolução)

Falar do rádio na reportagem é excelente, principalmente se considerarmos o pouco destaque que ele tem hoje na grande mídia. Mas fiquei impressionado com a quantidade de informações erradas no texto, principalmente no infográfico.

Fiz uma lista desses erros:


NO INFOGRÁFICO:

88,1 - O texto confunde AM e FM. Diz que a Gazeta FM foi fundada na década de 1940. Quem foi fundada nos anos 40 foi a Gazeta AM - naquela época nem existia rádio FM no Brasil.

89,7 - No texto que descreve a história do espaço ocupado pela Nova Brasil, é informado que a frequência "foi da Rede Manchete, abrigou emissoras religiosas" e "já tocou dance music". Esse histórico caberia aos 91,3 MHz, que já foram Manchete FM e Nossa Rádio.
Em 89,7 funcionava a FM Record, ligada à TV Record dos grupos Machado de Carvalho e Silvio Santos. A FM Record virou Nova FM Record (tocando dance music), depois Nova FM e, por fim, Nova Brasil FM.

90,5 - Pode parecer implicância, mas CBN é só CBN, e não CBN Notícias. Talvez tenha sido só um deslize na diagramação.

97,1 - A frequência da Energia 97 é 97,7 e não 97,1. Uma sintonizada na emissora antes de publicar a matéria teria evitado esse erro.

98,9 - Apesar da Terra FM operar oficialmente em 98,9 MHz, está fora do ar há alguns meses. Recentemente, passou a ser sintonizada na Baixada Santista em 100,3 MHz (a outorga é de Praia Grande).

102,9 - A Scalla FM também está fora do ar há meses.

Além disso, o infográfico esqueceu das rádios Gospel (90,1), Bandeirantes (90,9), Estadão ESPN (92,9), Mundial (95,7), Super Rádio Tupi (97,3), Sê Tu Uma Bênção (98,1), Sara Brasil (101,3) e Musical (105,7).


NO TEXTO:

Em um momento, a matéria afirma que o Grupo Bel é "proprietário do sinal da extinta Oi FM", sendo que é justamente o "sinal" a parte da Oi FM de São Paulo que não pertencia ao Grupo Bel. A frequência era arrendada e pertence ao ex-deputado José Masci de Abreu (irmão de Paulo Abreu, do Grupo CBS/Mundial).

Em outro, que a Rádio Levi's, criada em 2007, é "pioneira no país entre as rádios feitas para a Internet". A Musical MPB, webrádio criada com o fim da antiga Musical FM, começou a transmitir em 1999.


De qualquer forma, a reportagem é válida e traz informações relevantes. Só fica a certeza que, além de falar pouco de rádio, a mídia não especializada tem ouvido pouco rádio (e talvez usado pouco o Google antes de falar sobre o assunto).


LEIA TAMBÉM
Conheça fãs de rádios e quem faz emissoras on-line (matéria complementar na Folha.com)

Especial: O dial FM de São Paulo de quase 30 anos atrás

Comentários

  1. Anderson,

    Lembro que nos início dos anos 90, a Nova FM (que não era Brasil ainda) tinha uma programação voltada para o público jovem, o que a fez conseguir o primeiro lugar de audiência, batendo a Jovem Pan 2. Eu li uma reportagem sobre essa 'façanha' no Diário Popular. Na reportagem o diretor da emissora na época dizia que eles se sentiam gigantes por ter colocado uma rádio no ar com apenas dez pessoas (o número do pessoal da promoção da Jovem Pan Fm na época).


    O arrendamento da Manchete FM foi um período antes da bancarrota dos Bloch (acho que em 1996 a Renascer já arrendava a rádio). Como eles 'conseguiram' a marca, então mudaram de frequência, quando o grupo Manchete faliu (lembra que a Renascer arrendou por um ano a TV Manchete e queria comprá-la?) acho que para 89,1, daí a confusão.

    ResponderExcluir
  2. Marcos,

    Não lembrava que a Nova FM já tinha batido a Jovem Pan em audiência, mas lembro que fez muito sucesso nessa época de programas como Grafite, The Flash e Rap Attack.

    Se tem alguma semelhança entre a Manchete FM e a Nova é que as duas foram concorrentes num momento e que uma ganhou público da outra em outro momento.

    No final dos anos 80 e começo dos 90, Nova FM Record e Manchete FM eram concorrentes diretas pq eram as únicas em SP especialziadas em dance music.

    Em 92, quando o grupo IBF comprou as redes de rádio e TV dos Bloch, a programação da Manchete FM mudou da noite pro dia, se transformando no "adulto contemporâneo". Lembro que era uma rádio adulta com programação musical um pouco mais despojada que Alpha/Antena 1. A Nova continuou com o público jovem e continuou diversificando a programação, que já não tinha só dance music.

    Em 95/96, sem IBF, a Manchete FM resolveu abandonar o público adulto e popularizou geral. E fez isso por dois motivos: pra acompanhar uma popularização da TV Manchete e por causa do fim da 105 FM do Rio, cujo slogam era "De bem com a vida". Nessa época, a Manchete ficou "De bem com o sucesso". E foi aí que a Nova FM trocou o público jovem e passou a ser "a mais jovem das adultas", ainda mesclando música brasileira com internacional. E foi dela que nasceu a Nova Brasil, um ano depois do fim da Musical FM, quando o grupo do Quércia decidiu criar um diferencial pra Nova que ainda concorria com Alpha/Antena 1.

    Sobre o arrendamento da Manchete, aconteceu no carnaval de 1998. Tem um relato da Mônica Sampaio, locutora da Manchete do RJ, que reproduzi umas duas vezes aqui. Um ano antes da TV Manchete acabar. E a Manchete Gospel mudou mesmo de frequência, quando os bispos da Renascer conseguiram emissora própria. Foi pra 88,5 a princípio; depois a Anatel mudou a rádio pra 90,1 pq em 88,5 atrapalharia uma nova rádio que surgiria em Mogi das Cruzes (a Laser FM).

    A história é bem enrolada e o rádio, infelizmente, tem "memória fraca" (tem poucos registros sobre isso por aí). Mas, mesmo assim, fiquei impressionado com o volume de informações incorretas publicadas num veículo com o nome da Folha. Na internet tem muita gente que escreve sobre rádio, dava pra pesquisar melhor e não confundir o que já é confuso por natureza! =)

    ResponderExcluir
  3. P.S.: tem mais sobre a história da frequência 91,3 FM de São Paulo nesse post aqui: http://midiaclipping.blogspot.com/2010/12/91-3-que-radio-era-essa.html

    ResponderExcluir
  4. Anderson,

    Bem lembrado sobre a fase 'Antena 1 /Alpha FM da Nova, antes de virar MPB. Eu gostava muito daquela mescla.

    E sobre a falta de registro do rádio, isso é um pouco de culpa das emissoras. Veja que elas não se preocupam, por exemplo, em manter departamentos de documentação para historiadores, pesquisadores e apreciadores que queiram consultar seus arquivos (quando os tem). Pelo que me consta, apenas a rádio Bandeirantes AM mantém um departamento assim em SP. E a bibliografia do rádio existente é algo irrisório, se comparado com a televisão.

    Eu acredito que é um pouco de vício, que vem daquela ideia de 'rádio tem que ser ao vivo'. Isso é verdade, mas a documentação e arquivo são importantes. Daí a importância da net, talvez nem tanto no quesito transmissão, mas na disponibilização, no compartilhamento de conteúdo.

    Mas parece que os diretores das emissoras não perceberam ainda essas possibilidades. E esse é outro equívoco, talvez isso explique a lamentável situação do rádio atual. E veja que nem estamos falando de emissoras 'nômades' que correm de frequência do dia para a noite. As rádios em questão fizeram história e quem quiser saber sobre suas trajetórias, terá que recorrer aos sites especializados ou então às matérias pouco precisas, como a da Folha de SPaulo.

    PS - no primeiro comentário, disse que a TV Manchete foi arrendada por um ano, mas foram dois meses apenas.

    ResponderExcluir
  5. 90,5 era "Rádio X FM" e mais tarde passou a ser CBN.
    Abraço.
    Renato.

    ResponderExcluir
  6. É verdade!! Eu lembro da Rádio X!

    Aliás, mais um erro que eu esqueci de comentar: o texto diz que a CBN 90,5 começou em 1991, confundindo mais uma vez AM com FM. Quem entrou no ar em 91 foi a CBN 780kHz, no lugar da Excelsior AM. A CBN FM 90,5 foi aparecer só em 1995/96, no lugar da Rádio X.

    Vou incluir isso no post tb assim que possível. Obrigado!

    Abraço!

    ResponderExcluir
  7. Olá, Anderson!
    Seus textos estão cada vez melhores. Pena que você não fala tanto da mídia fora de SP.
    Abraço!

    ResponderExcluir
  8. Sem contar que a foto da matéria não traz uma torre de rádio e sim, da Rede Vida de Televisão.

    ResponderExcluir
  9. vale lembrar que antes da radio x havia a radio globo e antes era radio excelsio fm

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Relembrando a Líder FM de São Paulo

Em janeiro deste ano, publiquei aqui e no Tele História um post sobre o curto período em que a Líder FM, emissora popular da Grande São Paulo de grande audiência nos anos 90, adotou o slogam "Cheia de Charme" e passou a se dedicar à Black Music. No final do post, pedia para quem tivesse mais informações sobre esse período enviasse comentários, para que todo mundo que lê o blog e a coluna do Tele História - inclusive eu - pudesse resgatar um pouco da história dessa simpática emissora que acabou caindo um pouco no esquecimento.

De lá pra cá, recebi comentários de pessoas relembrando a Líder FM dessa e de outras fases. Alguns são tão bons que me deixaram, já na época, com vontade de escrever um novo post só para que eles ficassem mais "visíveis".

Nesta terça-feira, o Edmauro Novais, que teve participação essencial no primeiro post, enviou imagem da capa de outro CD da rádio na fase Black, retirada de um blog que disponibiliza a playlist e o link para download do CD. Foi…

Um pouco da história da Rádio Tupi AM (SP)

Muita gente reclama da "falta de memória" da TV, não só pelo descaso das emissoras que apagavam seus arquivos sem a menor culpa, mas também pela dificuldade em encontrar informações consistentes e confiáveis sobre a história da televisão. Quem reclama tem razão, mas essa falta de memória nem se compara com a escassez de registros sobre a história do rádio!

Tive que procurar, para um trabalho, a história da Tupi AM de São Paulo, e descobri que não existe nenhum lugar que traga essas informações. Para se ter uma ideia, não consegui encontrar nem o ano em que a Tupi AM de Paulo Abreu foi inaugurada!

Encontrei alguns dados em diversos endereços na Internet - faço questão de deixar os links ao longo do texto - que, aliados ao pouco que lembrava, me ajudaram na montagem do quebra-cabeças da trajetória (ou das trajetórias) da Tupi.

O resultado não ficou tão completo quanto esperava, mas deixo aqui o que encontrei, primeiro por não ter visto essa história resumida em nenhum lugar, e de…

Especial: As vinhetas de abertura e encerramento da programação na TV

Antes da TV paga ou da multiplicação de televendas e telepastores, era padrão as emissoras de TV não permanecerem no ar 24 horas por dia. No máximo, a Globo "virava" as noites de sexta e sábado com o lendário "Corujão"; as demais - incluindo a Globo em outros dias - só funcionavam de madrugada em ocasiões esporádicas e especiais.

Por isso, quase todas se preocupavam em criar vinhetas específicas para a chegada e despedida diárias. E, diferente do que se esperaria de vinhetas exibidas duas vezes por dia nos horários mais periféricos da grade, muitas delas foram marcantes na história das emissoras e são lembradas até hoje.

Preparei uma lista com algumas das mais famosas. Os vídeos são antigos e estão no YouTube há muito tempo, mas são alguns dos meus favoritos - e imagino que não sejam só meus.


GLOBO

Nos primeiros anos de Hans Donner, uma sequência de formas tridimensionais ilustrava a mensagem de encerramento:


Na década de 1980, a mensagem foi substituída pela apresentaç…