Pular para o conteúdo principal

89 FM faz acordo com Nestlé e deve virar 89 Fast

A 89 FM deve ser a próxima rádio "customizada" de São Paulo. De acordo com reportagem de Marcelo Gripa para o AdNews, a rádio fechou um acordo com a Nestlé e terá sua marca vinculada à linha de bebidas Fast, passando a se chamar "89 FM Fast".

A troca de nome não deve ser tão impactante na programação quanto a mudança que transformou a ex-Rádio Rock na 89 de hoje, mas a matéria informa que haverá "mudanças na plástica e programação". O projeto, que deverá ser anunciado em entrevista coletiva na próxima quarta-feira, tem duração inicial de um ano.

Apesar da "customização" de rádios ter pautado os sites especializados depois que Oi, SulAmérica e Mitsubishi batizaram emissoras, a prática não é novidade para a 89. No começo da década de 1980, a antiga Pool FM recebeu esse nome por conta do patrocínio que recebia da Guararapes Confecções, dona das lojas Riachuelo e fabricante do jeans Pool.

Certa vez, li alguém classificando a 89 pós-Rádio Rock como uma "volta às origens" - quem escrevia acreditava que, se a Pool FM estivesse no ar hoje, teria programação musical parecida com a da 89 atual. Não sei se a programação musical da 89 chega ser uma "volta" à Pool FM, mas a customização pode ser.

Comentários

  1. É mesmo um regresso. Não digo do rádio propriamente dito. Na pré-história da TV quem 'apitava' mais alto na programação eram os anunciantes com suas 'Sabatinas Maizena', 'Resenha Facit', 'Repórter Esso', 'Hora do Lanche' (patrocinada pela antiga fábrica de biscoitos S. Luis). Li - não se se é verídico - que o JN vem do patrocinador inicial, o Banco Nacional. Até mesmo as novelas tinham que se submeter aos textos impostos pelos patrocinadores. A Globo que acabou com isso e profissionalizou-se contratando autores próprios.

    Quanto ao rádio, esse é um processo inevitável. Depois dos áureos tempos jabaculanianos (o próprio Tutinha da Pan afirmou ser fã do método...) que se foram com a decadência da indústria fonográfica e dos arrendamentos parciais ou totais a grupos evangélicos ou similares, não há como escapar. A receita virá daí. A culpa é dos próprios empresários que sucatearam o setor. Já que a segmentação de estilo é impossível num país como o Brasil (diferente dos EUA que tem rádio de tudo quanto é estilo tocando) a segmentação vem das marcas. Pra dizer a verdade é até melhor do que o arrendamento e um sucateamento maior na qualidade da programação.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Relembrando a Líder FM de São Paulo

Em janeiro deste ano, publiquei aqui e no Tele História um post sobre o curto período em que a Líder FM, emissora popular da Grande São Paulo de grande audiência nos anos 90, adotou o slogam "Cheia de Charme" e passou a se dedicar à Black Music. No final do post, pedia para quem tivesse mais informações sobre esse período enviasse comentários, para que todo mundo que lê o blog e a coluna do Tele História - inclusive eu - pudesse resgatar um pouco da história dessa simpática emissora que acabou caindo um pouco no esquecimento.

De lá pra cá, recebi comentários de pessoas relembrando a Líder FM dessa e de outras fases. Alguns são tão bons que me deixaram, já na época, com vontade de escrever um novo post só para que eles ficassem mais "visíveis".

Nesta terça-feira, o Edmauro Novais, que teve participação essencial no primeiro post, enviou imagem da capa de outro CD da rádio na fase Black, retirada de um blog que disponibiliza a playlist e o link para download do CD. Foi…

Um pouco da história da Rádio Tupi AM (SP)

Muita gente reclama da "falta de memória" da TV, não só pelo descaso das emissoras que apagavam seus arquivos sem a menor culpa, mas também pela dificuldade em encontrar informações consistentes e confiáveis sobre a história da televisão. Quem reclama tem razão, mas essa falta de memória nem se compara com a escassez de registros sobre a história do rádio!

Tive que procurar, para um trabalho, a história da Tupi AM de São Paulo, e descobri que não existe nenhum lugar que traga essas informações. Para se ter uma ideia, não consegui encontrar nem o ano em que a Tupi AM de Paulo Abreu foi inaugurada!

Encontrei alguns dados em diversos endereços na Internet - faço questão de deixar os links ao longo do texto - que, aliados ao pouco que lembrava, me ajudaram na montagem do quebra-cabeças da trajetória (ou das trajetórias) da Tupi.

O resultado não ficou tão completo quanto esperava, mas deixo aqui o que encontrei, primeiro por não ter visto essa história resumida em nenhum lugar, e de…

Especial: As vinhetas de abertura e encerramento da programação na TV

Antes da TV paga ou da multiplicação de televendas e telepastores, era padrão as emissoras de TV não permanecerem no ar 24 horas por dia. No máximo, a Globo "virava" as noites de sexta e sábado com o lendário "Corujão"; as demais - incluindo a Globo em outros dias - só funcionavam de madrugada em ocasiões esporádicas e especiais.

Por isso, quase todas se preocupavam em criar vinhetas específicas para a chegada e despedida diárias. E, diferente do que se esperaria de vinhetas exibidas duas vezes por dia nos horários mais periféricos da grade, muitas delas foram marcantes na história das emissoras e são lembradas até hoje.

Preparei uma lista com algumas das mais famosas. Os vídeos são antigos e estão no YouTube há muito tempo, mas são alguns dos meus favoritos - e imagino que não sejam só meus.


GLOBO

Nos primeiros anos de Hans Donner, uma sequência de formas tridimensionais ilustrava a mensagem de encerramento:


Na década de 1980, a mensagem foi substituída pela apresentaç…