Pular para o conteúdo principal

Serra atribui polêmica da TV Cultura a "blogs sujos"

A demissão de Gabriel Priolli do cargo de diretor de jornalismo da TV Cultura foi um dos assuntos da entrevista concedida por José Serra aos Diários Associados na noite desta segunda-feira (12).

Irritado, Serra desmentiu a história de que a saída do jornalista tinha relação com a reportagem sobre os pedágios e responsabilizou blogs e redes sociais pela repercussão da história. Reproduzo o trecho da entrevista publicada no blog da jornalista Bertha Maakaroun, do Estado de Minas.

Serra nega ter pedido demissão de jornalista e acusa governo federal de usar estatais

Em entrevista aos repórteres Thiago Herdy, Elaine Pereira e Fernanda Penna, dos Diários Associados, ontem à noite, na sede da Tevê Alterosa, em Belo Horizonte, o candidato do PSDB à Presidência da República, José Serra negou ter havido inteferência política na TV Cultura, emissora estatal paulista. A polêmica começou no fim da semana passada, quando o jornalista Gabriel Priolli foi afastado de suas funções, supostamente em função da produção de reportagem sobre o custo dos pedágios nas estradas de São Paulo.

Ao ser questionado por Thiago Herdy, o tucano garantiu não ter tido qualquer participação no episódio. A reboque, acusou o governo federal de fazer uso político das emissoras estatais. No início desta semana, a TV Cultura ofereceu um novo cargo ao jornalista e também negou ter havido qualquer motivação política na troca de funções de Priolli.

O senhor pediu a demissão do diretor de jornalismo da TV Cultura?
Serra:
Eu nem soube, eu nem sabia quem era o diretor (de jornalismo da TV Cultura). Aí você tem os twitters e os blogs sujos que vão espalhando (isso) na esperança de fazer pauta para a imprensa. Se teve algo que nunca tutelei, foi a TV Cultura. Ao contrário, é o governo federal que tem as suas emissoras usadas de maneira política muito clara.

O senhor se refere à TV Brasil?
Serra:
São as emissoras em geral, inclusive a TV Brasil.

Radiobrás?
Serra:
É, totalmente.

De que forma isso acontece?
Serra:
De várias maneiras, o jornalismo é bastante criativo para poder fazer isso, esse jornalismo oficialista. A TV Cultura tem autonomia completa, pode pegar o noticiário para ver. É só ir olhar para ver se alguma vez houve alguma espécie de favorecimento.

O que foi argumentado é que o tema pedágio é um tema que incomodaria o senhor, isso é verdade?
Serra:
(Irritado, fechou a cara) Não, não é.

Ao fim da entrevista, o candidato do PSDB retomou o tema espontaneamente:

Serra: Esse negócio da TV Cultura é tudo lorota. Eu passei o meu mandato com a TV Cultura no meu pé no jornalismo, nunca fiz nada.

Mas e o Heródoto Barbeiro...
Serra:
O Heródoto ia ser trocado pela Marília Gabriela, isso já ia acontecer. O Heródoto entrou porque a Lillian Witte Fibe não deu certo. Mas você acha que eu era consultado em relação a isso? Imagina. A gente fica sabendo pelo jornal, aliás, eu sempre fiz questão. Até porque se você manda admitir um cara, até o momento seguinte, você é responsável, então não adianta se meter. Eu não me meto.

Os blogs estão falando sobre isso...
Serra:
Aí é de Luiz Nassif para baixo.

O Estadão deu...
Serra:
Mas aí acaba pautando a imprensa.

O "negócio" da TV Cultura pode até ser "lorota", mas é difícil não achar estranho Gabriel Priolli ser nomeado diretor de jornalismo e, menos de uma semana depois, ser "convidado" a deixar o cargo. Principalmente por existir, entre um evento e outro, a ideia da reportagem sobre um tema desconfortável para o PSDB.

Faltou uma explicação do ex-governador de São Paulo que fosse mais convincente e que, de preferência, viesse sem "blogs sujos" e "Luiz Nassif para baixo" - expressões que causam uma impressão de truculência que, convenhamos, não é nada recomendada para um candidato à presidente.

Mas justiça seja feita: a TV Cultura exibiu a reportagem na noite da sexta-feira (09), depois de ouvir todos os candidatos ao governo paulista, como prometeu Fernando Vieira de Mello.

LEIA TAMBÉM
Luis Nassif: "Pedágio derruba mais um jornalista da TV Cultura"

Comentários

  1. Pode ter havido coincidência entre a demissão do Barbeiro com a contratação da Marília Gabriela para o Roda Viva, porém o afastamento do Gabriel Priolli parece manipulação numa emissora que deveria ser apartidária...

    ResponderExcluir
  2. "O Heródoto entrou porque a Lillian Witte Fibe não deu certo."

    Se o Serra "não se mete" na TV Cultura, como diabos ele sabe dos detalhes dos bastidores? Pelo jornal? Até parece.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Relembrando a Líder FM de São Paulo

Em janeiro deste ano, publiquei aqui e no Tele História um post sobre o curto período em que a Líder FM, emissora popular da Grande São Paulo de grande audiência nos anos 90, adotou o slogam "Cheia de Charme" e passou a se dedicar à Black Music. No final do post, pedia para quem tivesse mais informações sobre esse período enviasse comentários, para que todo mundo que lê o blog e a coluna do Tele História - inclusive eu - pudesse resgatar um pouco da história dessa simpática emissora que acabou caindo um pouco no esquecimento.

De lá pra cá, recebi comentários de pessoas relembrando a Líder FM dessa e de outras fases. Alguns são tão bons que me deixaram, já na época, com vontade de escrever um novo post só para que eles ficassem mais "visíveis".

Nesta terça-feira, o Edmauro Novais, que teve participação essencial no primeiro post, enviou imagem da capa de outro CD da rádio na fase Black, retirada de um blog que disponibiliza a playlist e o link para download do CD. Foi…

Um pouco da história da Rádio Tupi AM (SP)

Muita gente reclama da "falta de memória" da TV, não só pelo descaso das emissoras que apagavam seus arquivos sem a menor culpa, mas também pela dificuldade em encontrar informações consistentes e confiáveis sobre a história da televisão. Quem reclama tem razão, mas essa falta de memória nem se compara com a escassez de registros sobre a história do rádio!

Tive que procurar, para um trabalho, a história da Tupi AM de São Paulo, e descobri que não existe nenhum lugar que traga essas informações. Para se ter uma ideia, não consegui encontrar nem o ano em que a Tupi AM de Paulo Abreu foi inaugurada!

Encontrei alguns dados em diversos endereços na Internet - faço questão de deixar os links ao longo do texto - que, aliados ao pouco que lembrava, me ajudaram na montagem do quebra-cabeças da trajetória (ou das trajetórias) da Tupi.

O resultado não ficou tão completo quanto esperava, mas deixo aqui o que encontrei, primeiro por não ter visto essa história resumida em nenhum lugar, e de…

Especial: As vinhetas de abertura e encerramento da programação na TV

Antes da TV paga ou da multiplicação de televendas e telepastores, era padrão as emissoras de TV não permanecerem no ar 24 horas por dia. No máximo, a Globo "virava" as noites de sexta e sábado com o lendário "Corujão"; as demais - incluindo a Globo em outros dias - só funcionavam de madrugada em ocasiões esporádicas e especiais.

Por isso, quase todas se preocupavam em criar vinhetas específicas para a chegada e despedida diárias. E, diferente do que se esperaria de vinhetas exibidas duas vezes por dia nos horários mais periféricos da grade, muitas delas foram marcantes na história das emissoras e são lembradas até hoje.

Preparei uma lista com algumas das mais famosas. Os vídeos são antigos e estão no YouTube há muito tempo, mas são alguns dos meus favoritos - e imagino que não sejam só meus.


GLOBO

Nos primeiros anos de Hans Donner, uma sequência de formas tridimensionais ilustrava a mensagem de encerramento:


Na década de 1980, a mensagem foi substituída pela apresentaç…