Pular para o conteúdo principal

Raridade: veja o dono da RedeTV!, em 1999, se responsabilizando pelas dívidas trabalhistas da Rede Manchete

O radialista Rafael Dutra Caus, membro da comunidade sobre a Rede Manchete no Orkut, digitalizou e disponibilizou no YouTube, nesta quinta-feira, uma gravação do programa "Show Business" exibido em maio de 1999, onde João Dória Jr. e Denise Campos de Toledo entrevistam Amilcare Dallevo Jr., o novo dono da emissora.

Dallevo conta os planos para a nova emissora, que ainda não tinha nome definido, mas já não usava mais a marca "Manchete", e se compromete a quitar as dívidas trabalhistas da antiga TV.

PARTE 1


PARTE 2


Entenda a confusa transição entre Manchete e RedeTV!

AMILCARE E A MANCHETE DOS BLOCH
O grupo TeleTV, de Amilcare Dallevo Jr., era responsável pelos sistemas de telefonia em programas interativos como "Você Decide" (Rede Globo) e cresceu nos anos 90 com a popularização dos sorteios pelos telefones 0900, que foram exaustivamente usados pela maioria das emissoras, incluindo a Rede Manchete, até sua proibição em 1998.

Além da TeleTV, o grupo tinha uma empresa de tecnologia (TecNet) e uma produtora independente, a Ômega Produções, que produziu para a Manchete entre 1997 e 1998 os programas "Domingo Milionário" e "Domingo Total", um pouco antes da proibição do lucrativo sistema de sorteio.

A Manchete mergulhou mais fundo em sua última crise logo depois disso, devido ao baixo retorno financeiro das transmissões da Copa de 98, ao fracasso de "Brida" e a outros problemas de ordem macroeconômica. Terminou 1998 com programas extintos, greves e um esvaziamento da programação como nunca havia se visto.

O ANO DA VENDA
Depois de uma tentativa mal sucedida de arrendamento para a Fundação Renascer no começo de 1999, a Rede Manchete foi posta a venda, até porque tinha as cinco concessões próprias vencidas desde 1996 e, caso não resolvesse sua situação financeira até maio do mesmo ano, sairia do ar.

As primeiras informações divulgadas pela Bloch sobre a compra da Manchete pelo Grupo TeleTV davam conta de que a produtora "se tornaria responsável pelo passivo da emissora" e que "o pagamento dos salários atrasados seria prioritário no contrato", conforme publicado em matéria da Folha de São Paulo de 13/03/1999 (disponível no site Tele História).

As negociações chegaram a ter acompanhamento pessoal do então ministro das comunicações Pimenta da Veiga, e toda informação publicada confirmava os primeiros comunicados da Bloch. Logo após a venda, por exemplo, a revista Veja publicou matéria na qual Amilcare Dallevo Jr. se comprometia a assumir o total das dívidas da Manchete, estimadas na época em R$ 329 milhões.

Até aí, tudo bem. O problema é que a transação real acabou sendo diferente da inicialmente divulgada.

O NEGÓCIO
A transferência da Rede Manchete para a TV Ômega foi uma operação, no mínimo, esquisita. A pessoa jurídica da TV Manchete Ltda. foi dividida em duas partes: as concessões e tudo o que era necessário para a continuidade da operação imediata da TV ficaram com a TV Ômega; as dívidas, equipamentos, marca e arquivo (o patrimônio e a "parte podre") foram para uma empresa chamada Hesed Participações, do empresário Fábio Saboya Salles Júnior, que pretendia vender o patrimônio da emissora, pagar as dívidas e ainda ter lucro no final, conforme publicado na coluna do Daniel Castro de 25/12/1999, também disponível no Tele História.

Curiosamente, a Hesed Participações alegou, meses depois da compra, que não tinha condições de assumir as dívidas da TV Manchete, e declarou falência. E a TV Ômega, que comprou a emissora nessa estranha sociedade, mas que em maio estava toda disposta a pagar as dívidas trabalhistas, passou a responsabilizar a Hesed sobre todos os débitos da Manchete. Para completar a dúvida, o site Rede Manchete - Uma História de Sucesso diz que a Bloch Editores publicou na Revista Manchete em maio de 1999 que havia se comprometido a ser fiadora da Hesed na venda da TV.

Com a declaração da Hesed de que não poderia honrar as dívidas da TV, a editora, que já não ia bem das pernas, pediu concordata e processou Amilcare Dallevo, dono da TV Ômega, para que os débitos fossem repassados à sua empresa, que era a sócia da Hesed na compra da emissora.

Aí começou a bagunça: a Bloch faliu, os prédios foram lacrados e ninguém pagou ninguém!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Relembrando a Líder FM de São Paulo

Em janeiro deste ano, publiquei aqui e no Tele História um post sobre o curto período em que a Líder FM, emissora popular da Grande São Paulo de grande audiência nos anos 90, adotou o slogam "Cheia de Charme" e passou a se dedicar à Black Music. No final do post, pedia para quem tivesse mais informações sobre esse período enviasse comentários, para que todo mundo que lê o blog e a coluna do Tele História - inclusive eu - pudesse resgatar um pouco da história dessa simpática emissora que acabou caindo um pouco no esquecimento.

De lá pra cá, recebi comentários de pessoas relembrando a Líder FM dessa e de outras fases. Alguns são tão bons que me deixaram, já na época, com vontade de escrever um novo post só para que eles ficassem mais "visíveis".

Nesta terça-feira, o Edmauro Novais, que teve participação essencial no primeiro post, enviou imagem da capa de outro CD da rádio na fase Black, retirada de um blog que disponibiliza a playlist e o link para download do CD. Foi…

Um pouco da história da Rádio Tupi AM (SP)

Muita gente reclama da "falta de memória" da TV, não só pelo descaso das emissoras que apagavam seus arquivos sem a menor culpa, mas também pela dificuldade em encontrar informações consistentes e confiáveis sobre a história da televisão. Quem reclama tem razão, mas essa falta de memória nem se compara com a escassez de registros sobre a história do rádio!

Tive que procurar, para um trabalho, a história da Tupi AM de São Paulo, e descobri que não existe nenhum lugar que traga essas informações. Para se ter uma ideia, não consegui encontrar nem o ano em que a Tupi AM de Paulo Abreu foi inaugurada!

Encontrei alguns dados em diversos endereços na Internet - faço questão de deixar os links ao longo do texto - que, aliados ao pouco que lembrava, me ajudaram na montagem do quebra-cabeças da trajetória (ou das trajetórias) da Tupi.

O resultado não ficou tão completo quanto esperava, mas deixo aqui o que encontrei, primeiro por não ter visto essa história resumida em nenhum lugar, e de…

Especial: As vinhetas de abertura e encerramento da programação na TV

Antes da TV paga ou da multiplicação de televendas e telepastores, era padrão as emissoras de TV não permanecerem no ar 24 horas por dia. No máximo, a Globo "virava" as noites de sexta e sábado com o lendário "Corujão"; as demais - incluindo a Globo em outros dias - só funcionavam de madrugada em ocasiões esporádicas e especiais.

Por isso, quase todas se preocupavam em criar vinhetas específicas para a chegada e despedida diárias. E, diferente do que se esperaria de vinhetas exibidas duas vezes por dia nos horários mais periféricos da grade, muitas delas foram marcantes na história das emissoras e são lembradas até hoje.

Preparei uma lista com algumas das mais famosas. Os vídeos são antigos e estão no YouTube há muito tempo, mas são alguns dos meus favoritos - e imagino que não sejam só meus.


GLOBO

Nos primeiros anos de Hans Donner, uma sequência de formas tridimensionais ilustrava a mensagem de encerramento:


Na década de 1980, a mensagem foi substituída pela apresentaç…